RR
|
A+ / A-

Lage e Amorim preferiam que o melhor treinador do mês tivesse sido o adjunto do Braga

14 fev, 2020 - 14:21 • Redação

A culpa pode ter sido da própria equipa técnica do Braga, por votar no treinador do Benfica. Rúben Amorim está "chateado".

A+ / A-

O prémio de melhor treinador do campeonato em janeiro devia ter ido para Micael Sequeira, adjunto do Sporting de Braga. É esta a conclusão a que Bruno Lage, treinador do Benfica e vencedor do galardão, e Rúben Amorim, técnico principal dos minhotos, chegaram, esta sexta-feira.

O primeiro a falar foi Rúben Amorim, que não pode entrar na votação porque não está inscrito na Liga como treinador principal, uma vez que não tem o nível IV. Daí que o segundo lugar da votação tenha sorrido ao seu adjunto, Micael Sequeira, que se encontra devidamente qualificado.

Amorim assumiu ambição de "trabalhar para ficar em primeiro" e revelou que, involuntariamente, o voto da sua equipa técnica poderá ter sido decisivo para a própria derrota. "Fiquei chateado. Foi porque nós votámos no Lage e se não o tivéssemos feito, se calhar tínhamos ficado em primeiro", assinalou o treinador do Braga, entre sorrisos.

O próprio Bruno Lage, que considera que o Braga "foi a melhor equipa em Portugal" em janeiro, foi apanhado de surpresa com a distinção.

O treinador do Benfica foi eleito o melhor treinador do mês, contudo, na sua ótica, o prémio ficaria melhor em Braga: "Vejo um crescimento enorme do Braga ao longo dos anos, com um treinador que acabou de chegar e fez o que fez neste primeiro mês. Até fiquei um pouco surpreendido de ter sido eleito o melhor treinador de janeiro e já percebi porquê: o Braga votou em mim e isso fez a diferença."

A troca de carinhos não se estenderá ao relvado, quando Benfica e Braga se defrontarem no sábado, a partir das 18h00, no Estádio da Luz. O jogo de cartaz da 21.ª jornada do campeonato terá relato em direto na Renascença e acompanhamento ao minuto em rr.sapo.pt.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.