RR
|
A+ / A-

Mudança na PSP. Comandante do Porto sai para chefiar Unidade Especial de Polícia

13 fev, 2020 - 14:55 • Celso Paiva Sol

O que muda e o que fica na mesma agora que Magina da Silva sucedeu a Luís Farinha no cargo de diretor nacional da PSP.

A+ / A-

O comandante da Polícia de Segurança Pública (PSP) do Porto, Paulo Lucas, está de saída do cargo para passar a chefiar a Unidade Especial de Polícia (UEP), onde se concentram as forças de elite da PSP.

Esta é uma das consequências da recente mudança na direção nacional da PSP, agora assumida por Manuel Magina da Silva.

Contas feitas, a mudança de diretor implicou apenas uma alteração na equipa dirigente da PSP.

O número dois de Magina da Silva passou a liderar a instituição e para o seu lugar entra também o superintendente chefe Constantino Ramos, até aqui comandante da UEP, unidade que reúne as cinco forças de elite da PSP: o Grupo de Operações Especiais (GOE), o Corpo de Intervenção, a Inativação de Engenhos Explosivos, o Corpo de Segurança Pessoal e o Grupo Cinotécnico.

Constantino Ramos estava no comando desta unidade há cerca de seis anos e passa agora a diretor nacional das Operações e Segurança. A restante direção, essa, mantém-se.

José Torres é reconduzido como diretor-adjunto para a área de Logística e Finanças e Abílio Pinto Vieira vai continuar a ser diretor-adjunto para a área dos Recursos Humanos.

Ainda na cúpula dirigente da PSP, também o cargo de inspetor nacional vai continuar a ser desempenhado pelo superintendente chefe Pedro Clemente.

Ao que a Renascença apurou, Paulo Lucas, que assume agora a chefia da UEP, foi um dos nomes falados e até sondados para ocupar o cargo de diretor nacional da PSP. Contudo, o seu destino acabou por ser o comando das forças de elite, que aliás conhece bem.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.