Tempo
|
A+ / A-

Japão confirma primeira morte por coronavírus. China altera critérios de contagem

13 fev, 2020 - 12:50 • Reuters e Lusa

Número de mortes por causa do Covid-19 disparou por causa de alterações dos critérios de contagem. Cruzeiro rejeitado por vários países já chegou ao Camboja.

A+ / A-

O Japão confirmou, nesta quinta-feira, a primeira morte no país na sequência da infeção pelo novo coronavírus (batizado como Covid-19).

A vítima é uma mulher com cerca de 80 anos, moradora na prefeitura de Kanagawa, situada perto de Tóquio.

A informação é avançada pelo ministro japonês da Saúde, Katsunobu Kato, sem adiantar mais detalhes.

O número de mortes causadas pelo Covid-19 disparou para o dobro nesta quinta-feira, em apenas 24 horas, na província chinesa de Hubei. O aumento é justificado com uma alteração nos critérios de contagem, com o alargamento dos métodos de diagnóstico.

“Não estão a ser tão rigorosos para encontrar casos mesmo mesmo já confirmados laboratorialmente”, afirma a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas.


Número de mortes:


À Renascença, a responsável pela DGS acrescenta que as autoridades chinesas “estão a ter um método de diagnóstico que permite apanhar muito mais pessoas muito mais precocemente e tratar todas o mais rapidamente possível”.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) também já veio justificar da mesma forma o grande aumento de casos na China.

"É nosso entendimento que a nova definição de ‘casos’ amplia a rede e inclui não apenas os já confirmados em laboratório, como casos diagnosticados clinicamente com base em sintomas e exposição", afirmou o porta-voz da OMS Tarik Jasarevic, à agência Reuters.

De acordo com a mesma fonte, a OMS está a tentar obter “maior clareza” da parte da China sobre estas atualizações à definição de “caso” e “protocolo de notificação” para o surto de doença por coronavírus.

O mais recente balanço aponta para mais de 1.300 mortos e cerca de 60 mil casos confirmados na China.



Cruzeiro rejeitado por vários países chega ao Camboja

O navio de cruzeiro com mais de duas mil pessoas a bordo e impedido de entrar em vários países asiáticos devido ao risco de uma possível propagação do novo coronavírus atracou nesta quinta-feira no Camboja.

O “MS Westerdam”, navio de cruzeiro da companhia de navegação Holland America Line, recebeu na quarta-feira autorização das autoridades cambojanas para atracar no porto de Sihanoukville, depois de a Tailândia ter negado o desembarque na terça-feira.

Japão, Taiwan, Filipinas e Guam já tinham impedido o navio de cruzeiro de atracar nos seus territórios.

Os cerca de 1.450 passageiros e 802 membros da tripulação partiram no dia 1 de fevereiro de Hong Kong e planeavam chegar no sábado à cidade japonesa de Yokohama, mas as autoridades nipónicas negaram a entrada, depois de uma pessoa a bordo ter apresentado sinais de estar infetada pelo novo coronavírus.

O Covid-19 já provocou um morto em Hong Kong e outro nas Filipinas, afetando também o território de Macau (com oito infetados) e mais de duas dezenas de países, onde os casos de contágio superam os 350.

A situação motivou a marcação de uma reunião de urgência dos ministros da Saúde dos países da União Europeia nesta quinta-feira, em Bruxelas, enquanto a Organização Mundial de Saúde enviou uma equipa de especialistas para a China para acompanhar a evolução.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.