|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Um espetáculo de marionetas com música de Elvis Presley? Sim, e não é para miúdos

12 fev, 2020 - 07:29 • Maria João Costa

"Curtas de Papel, Osso e Fel" estreia esta quarta-feira, às 21h30, no Teatro do Bairro.

A+ / A-

Nem sempre um espetáculo de marionetas é para crianças. A nova proposta do Teatro de Marionetas A Tarumba é para os mais velhos. “Curtas de Papel, Osso e Fel” estreia esta quarta-feira no Teatro do Bairro, em Lisboa.

A mais recente criação da dupla Luís Vieira e Rute Ribeiro é inspirada no universo literário de escritores como o americano Edward Gorey conhecido pelo seu universo macabro ou de Mário-Henrique Leiria, autor do surrealismo português.

A condimentar “Curtas de Papel, Osso e Fel” está a música de cantores como Nick Cave, Elvis Presley ou Johnny Cash. Luís Vieira, que é um dos atores-manipuladores das marionetas, conta à Renascença que apresentam “histórias que falam de crimes, acidentes, paixão”. O encenador descreve a estética do espetáculo como “belo-horrível”.

Em cena até 16 de fevereiro no Teatro do Bairro, em Lisboa, “Curtas de Papel, Osso e Fel” parte do reportório escrito e musical que em comum têm as chamadas “morder balads”, diz Luis Vieira. São “baladas de morte que falam de morte e paixão, eram também canções usadas para despertar uma consciência moral e social sobre uma ideia de mal”, explica o criador que irá partilhar o palco com Rute Ribeiro. Ambos vão manipular marionetas criadas de propósito para este espetáculo.

Além de figuras de papel articuladas, “Curtas de Papel, Osso e Fel” inclui também imagens, sinais gráficos e panoramas que vão ajudar a contar estas histórias cheias de humor negro.

Com bilhetes a 10 euros, o espetáculo estará em cena de 12 a 16 de fevereiro, de quarta a sábado, às 21h30 e domingo às 17h00, no Teatro do Bairro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.