|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Eutanásia. Ordem dos Médicos pede audiência ao Presidente da República

12 fev, 2020 - 18:00 • Hugo Monteiro com Redação

O bastonário quer apresentar ao Presidente Marcelo um manifesto contra a despenalização da eutanásia. Miguel Guimarães opõe-se à prática e critica também a "pressa" do parlamento e a ausência de debate na sociedade.

A+ / A-

A Ordem dos Médicos (OM) pediu uma audiência ao Presidente da República. O bastonário, Miguel Guimarães, quer apresentar ao Presidente Marcelo um manifesto da classe contra a despenalização da eutanásia.

"Queremos fazer como há um ano, que é entregar um documento assinado por todos os bastonário da Ordem dos Médicos sobre esta questão das decisões sobre o final de vida e, muito concretamente, sobre a eutanásia", diz o bastonário à Renascença.

"A nossa posição é defender a deontolagia médica, ou seja, é desfavorável à eutanásia e à distanásia. É isso que vamos dizer no documento."

Miguel Guimarães sblinha que "quem teve responsabilidades máximas na Ordem dos Médicos, quem defendeu, durante uma série de anos, aquilo que são as regras éticas e deontológicas, quem teve de lidar com profissionais de saúde e doentes na sua vida profissional não pode estar de acordo com a despenalização da eutanásia

Adiar debate e votação parlamentar

O bastonário da OM critica a ausência de debate na sociedade a a pressa revelada pelo parlamento em decidir sobre o assunto, pedindo, assim, o adiamento da votação na Assembleia da República: "Seria importante adiar a decisão sobre esta matéria, prevista para dia 20, e fazer um grande debate público. Acho estranho, acho mal que as pessoas queiram decidir rapidamente sobre esta matéria sem haver debate nenhum na sociedade."

"Nós não temos uma população informada e, quando não temos uma população informada, obviamente que quem toma decisões também não está, muitas vezes, completamente informado", reforça o bastonário.

"Dourar as coisas"

Miguel Guimarães diz ter lido "noticías sobre 400 profissonais - hoje serão mais alguns - que tinham assinado uma petição a favor da eutanásia" passando a ideia de que "a maioria dos profissionais de saúde, no caso concreto médicos e enfermeiros, é a favor da eutanásia", quando "400 numa população de 130 mil significa que estamos a falar de cerca de 0,3% dos médicos e enfermeiros".

O bastonário nota ainda que "raramente se defende a eutanásia como 'morte assistida a pedido'", quando é claro que "aquilo que o médico irá fazer é matar uma pessoa, a pedido da pessoa".

"Tenta-se sempre dourar as coisas, como se não fosse assim", remata.

Tópicos
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    12 fev, 2020 20:36
    Na RR 12-02-2019, «O Cardeal D. António Marto disse: «durante a campanha eleitoral, os grandes partidos não trataram este tema, por conseguinte, penso que isso é uma traição ao próprio povo e à própria sociedade. Portanto, deve ser tratado com toda a seriedade, com toda a profundidade e não com leveza ou leviandade, seja de pensamento, seja de atitudes…Porque trata-se de eliminar a pessoa para eliminar o sofrimento, quando há outros meios mais dignos e mais justos para responder a este problema».
  • Manuel Sousa
    12 fev, 2020 porto 19:31
    Médicos querem ser 007 - com licença para matar ?