Tempo
|
A+ / A-

Estudo

Período de incubação do coronavírus pode durar até 24 dias

11 fev, 2020 - 08:40 • Anabela Góis (entrevista) e agência Lusa

A conclusão é de um estudo que envolve 37 investigadores. À Renascença, o infeciologista Filipe Froes diz que a classe médica ainda está "a conhecer a doença”.

A+ / A-
Três perguntas e respostas para perceber como se propaga o coronavírus
Três perguntas e respostas para perceber como se propaga o coronavírus

O período de incubação do novo coronavírus pode prolongar-se até 24 dias, e não 14 como se apurou anteriormente, segundo um estudo publicado nesta terça-feira e realizado por 37 pesquisadores, incluindo o proeminente epidemiologista chinês Zhong Nanshan.

O portal de notícias chinês Caixin divulgou as conclusões do último rascunho da investigação, que mostra que a febre – um dos primeiros sintomas – se manifestava em apenas 43,8% dos pacientes na sua primeira visita ao médico.

"A ausência de febre é mais frequente [entre os pacientes analisados] do que na Síndrome Respiratória Aguda e Grave (SARS ou pneumonia atípica) e a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS), portanto, a deteção dos casos não pode focar-se na medição da temperatura", lê-se no texto.

O mesmo sucede com a tomografia computadorizada, que deteta apenas sintomas de possível infeção em metade dos casos analisados, acrescenta.

A amostra do estudo incluiu 1.099 pacientes do novo coronavírus, diagnosticados até 29 de janeiro em 552 hospitais, em 31 sítios diferentes da China e com uma idade média de 47 anos, na sua maioria mulheres (41,9%).

Entre os pacientes – 26% não estiveram recentemente em Wuhan, o epicentro da epidemia, ou tiveram contacto com pessoas de lá – o período médio de incubação do vírus foi de três dias, mas houve também casos com um período de 24 dias.

O estudo também revela que o coronavírus "tem uma taxa de mortalidade relativamente menor do que a SARS e a MERS".

"Ainda estamos perante o desconhecido"

A descoberta dos investigadores chineses “significa que ainda estamos a conhecer a doença, que ainda não conhecemos todas as suas características epidemiológicas, que temos de manter um elevado nível de precaução e que temos de tentar, sobretudo, caracterizar quais os fatores que estão associados a essas características”, diz à Renascença o infeciologista Filipe Froes.

“Ainda estamos perante muito desconhecido e muitos dados imprevisíveis e isso obriga-nos a manter uma atenção, uma precaução e uma preparação diferentes”, sublinha.

A epidemia provocada pelo coronavírus detetado em Wuhan causou já 1.018 mortos, dos quais 1.016 na China continental, onde se contabilizam mais de 42 mil pessoas infetadas, segundo o balanço divulgado nesta terça-feira.

Na segunda-feira, de acordo com os dados anunciados pela Comissão Nacional de Saúde da China, registaram-se no território continental chinês 108 mortes e foram detetados 2.478 novos casos de infeção, para um total de 42.638, em especial na província de Hubei (centro), onde perto de 60 milhões de pessoas permanecem em quarentena.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.