|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Religiões voltam a unir-se contra a despenalização da Eutanásia

10 fev, 2020 - 14:10 • Lusa

Entre os grupos religiosos representados encontram-se católicos, evangélicos e ortodoxos, bem como judeus, muçulmanos e budistas.

A+ / A-

Leia também


Representantes de oito confissões religiosas vão reiterar na próxima quarta-feira, em Lisboa, a sua oposição à despenalização da eutanásia em Portugal, anunciou esta segunda-feira o coordenador do Grupo de Trabalho Inter-Religioso Religiões-Saúde.

Segundo uma nota do padre Fernando Sampaio, os oito signatários da declaração "Cuidar até ao fim com compaixão", apresentada em maio de 2018, aquando da anterior discussão no parlamento da despenalização da eutanásia, depois de analisarem o agendamento para 20 de fevereiro da discussão parlamentar e votação dos diplomas sobre a eutanásia e o suicídio assistido, "pretendem renovar e reiterar as afirmações constantes do documento, no qual, em síntese, é sublinhada 'a dignidade de quem sofre'".

Na declaração é, também, "lançado um apelo a 'uma sociedade misericordiosa e compassiva' e, sobretudo ao Estado, é pedida uma maior aposta na área dos cuidados paliativos, entendidos como 'uma exigência inadiável'".

A assinatura da declaração comum teve lugar na Academia das Ciências de Lisboa e foi firmada por representantes da Aliança Evangélica Portuguesa, Comunidade Hindu Portuguesa, Comunidade Islâmica de Lisboa, Comunidade Israelita de Lisboa, Igreja Católica, Patriarcado Ecuménico de Constantinopla, União Budista Portuguesa, União Portuguesa dos Adventistas do Sétimo Dia.

A questão da eutanásia vai, entretanto, marcar a próxima reunião do Conselho Permanente da Conferência Episcopal Portuguesa, agendada para terça-feira, em Fátima.

A Assembleia da República agendou para 20 de fevereiro o debate dos projetos do BE, PS, PAN e PEV sobre a despenalização da morte medicamente assistida.

Em 2018, a Assembleia da República debateu projetos de despenalização da morte medicamente assistida do PS, BE, PAN e PEV, mas foram todos chumbados, numa votação nominal dos deputados, um a um, e em que os dois maiores partidos deram liberdade de voto.

Há dois anos, o CDS-PP votou contra, assim como o PCP, o PSD dividiu-se, uma maioria no PS votou a favor, o PAN e o BE votaram a favor.

Face ao resultado, os partidos defensores da despenalização remeteram para a legislatura seguinte, que saiu das legislativas de outubro, a reapresentação de propostas, o que veio a acontecer.

Na atual legislatura, há, de novo, projetos de lei sobre a morte medicamente assistida apresentados pelo Bloco de Esquerda, PS, PAN e PEV, que determinam as condições em que é despenalizada a eutanásia.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    10 fev, 2020 17:59
    Henrique Raposo, Expresso Diário 5-02-2020: «A sociedade, como um todo, não pode responder ao desespero com um encolher de ombros. Quando alguém procura o suicídio, o nosso impulso moral é tentar salvar essa pessoa. Quando alguém se quer matar atirando-se de uma ponte ou prédio, o nosso impulso moral é agarrá-lo, desrespeitando assim a sua vontade. Porque é que este impulso moral desaparece quando a tentativa é feita num hospital? O suicídio, seja em que forma for, não pode ser um valor e uma prática social».