|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Lisboa, Barcelona ou Berlim. Sabe onde é mais difícil arrendar casa?

10 fev, 2020 - 21:50 • André Rodrigues , com redação

Investigador da Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto analisou o valor das rendas e os rendimentos das famílias em três cidades europeias. Conclui que, em Lisboa, a taxa de esforço de uma família que pretende arrendar um T2 é quase o dobro do máximo recomendado.

A+ / A-

Lisboa é uma das cidades europeias onde é mais difícil arrendar casa, conclui um grupo de especialistas da Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto, que comparou o valor das rendas e os rendimentos entre Lisboa, Barcelona e Berlim.

O ponto de partida desta investigação é a taxa de esforço de uma família com um dependente a viver num apartamento T2.

Os especialistas defendem que essa taxa de esforço, ou seja, o valor gasto pelas famílias na mensalidade do crédito à habitação ou no arrendamento, não deve exceder os 30% do orçamento mensal das famílias.

Em Barcelona e Berlim, a taxa de esforço ultrapassou ligeiramente os 30%, mas em Lisboa os especialistas concluem que a taxa de esforço para arrendar casa é de 58%, ou seja, praticamente o dobro.

Em declarações à Renascença, o autor deste estudo Aitor Varea Oro fala de uma batalha desigual: “Existe uma primeira desigualdade económica que é: os ordenados das pessoas em Portugal são mais desiguais do que noutros países e, depois, há uma segunda causa estruturante: os apoios públicos para a criação de habitação a custos controlados cria uma segunda clivagem, ou seja, não são igualmente acessíveis para os pequenos proprietários, para os técnicos que querem trabalhar nesta área. Estamos a assistir a uma batalha desigual.”

Por outro lado, este investigador da Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto lembra que, nos últimos anos, a própria legislação facilitou a especulação imobiliária.

“O problema não é apenas o turismo. Há uns anos foi criado um enquadramento que facilitava a vida a certo tipo de atores mais ligados à especulação imobiliária, à indústria do turismo… Este mercado é criado pelas regras promovidas pelo próprio Estado, com a alteração ao regime das rendas, criação dos vistos gold, alteração às regras de reabilitação urbana, tudo o que se fez no âmbito do alojamento local, criaram-se condições a partir das quais certas pessoas, entidades e interesses tinham muito mais facilidade para se mexer nesse tabuleiro que é a cidade, deixando de fora o cidadão comum”, afirma Aitor Varea Oro.

O investigador considera que estamos perante um problema sério que exige ação por parte dos poderes públicos. Caso contrário, diz este especialista, é a própria democracia que está em risco.

“Se o poder público não consegue dar respostas adequadas, podemos assistir a uma deslegitimação do poder público e a uma legitimação de outro tipo de soluções e de personagens, que já estão a aparecer um pouco por todo o lado, e que podem complicar um pouco mais o cenário em termos de degradação da nossa democracia”, adverte Aitor Varea Oro.

Para resolver a crise na habitação é necessário mais empenho público, “desde o presidente da junta até ao Presidente da República”, e um conjunto de receitas em simultâneo: facilitar o acesso ao financiamento, mais habitação pública, limitar a especulação, defende o autor do estudo em declarações à Renascença.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.