RR
|
A+ / A-

Deco quer intervenção dos partidos para travar comissões "desproporcionais" no MB Way

10 fev, 2020 - 08:50 • Lusa

Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor diz que valores aplicados nas transferências são "manifestamente desproporcionados".

A+ / A-

A Deco pede a intervenção dos partidos com assento parlamentar por causa da cobrança de comissões bancárias pelo uso do serviço MB WAY, considerando que os valores aplicados nas transferências são "manifestamente desproporcionados".

"Estes valores contrariam o princípio da gratuitidade que deveria ser inerente a esta aplicação que, de alguma forma, replica a utilização do Multibanco", escreve a Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco), que lembra que o Banco de Portugal já recebeu mais de 33 mil reclamações.

Lembra que já em abril do ano passado tinha criticado o início da cobrança de comissões bancárias pela utilização do serviço MB WAY, exigindo a limitação de custos associados a todas as formas de pagamento e transferências.

"A maior parte dos principais bancos já cobra pelas transferências através da app MB WAY. É o caso do BPI (Euro 1,20), Caixa Agrícola (25 cêntimos), Millenium BCP (Euro 1,20) e Santander (90 cêntimos)", recorda a Deco, acrescentando que a Caixa Geral de Depósitos se juntou recentemente à lista, cobrando uma comissão de 85 cêntimos, mais 4% de imposto de selo por cada transferência realizada.

Segundo a Deco, os valores cobrados pela Caixa Geral de Depósitos representam "um aumento de mais de 300% em relação aos valores previstos no anterior preçário, que nunca estiveram em vigor".

Para a associação, os valores das comissões aplicadas às transferências via MB WAY "são manifestamente desproporcionais, violando o princípio da proporcionalidade inerente ao comissionamento bancário".

"Depois de receber mais de 33 mil reclamações dos consumidores, o Banco de Portugal continua a ignorar a responsabilidade que lhe incumbe por lei, de zelar pelo cumprimento dos princípios da proporcionalidade, transparência e lealdade em matéria de comissionamento bancário", sublinha a Deco, queixando-se da inação do regulador.

A Deco pede ainda uma intervenção dos partidos com assento parlamentar, solicitando até uma alteração legislativa para garantir que as comissões associadas ao serviço MB WAY não ultrapassem os limites dos custos imputados aos comerciantes para pagamentos com cartões nos termos definidos pelo regulamento europeu de 2015, ou seja, "0,2% para os cartões de débito e 0,3% para os cartões de crédito".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    10 fev, 2020 Lisboa 10:53
    Os Bancos nem deviam cobrar nada: o dinheiro que eles têm para os negócios que fazem, são os nossos depósitos, logo negoceiam com o nosso dinheiro onde obtêm lucros e nos dão migalhas em troca. Fecharam agências, balcões e despediram pessoal, logo não é por aí que têm custos de produção e mamam dos nossos impostos pois 18 000 000000 de Euros já foram enviado para manter a Banca em funcionamento e mais estão para ir. Mais cobranças?