|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

“A vida é tudo, haja responsabilidade!”. Militantes do PSD pedem cuidado no debate da eutanásia

08 fev, 2020 - 13:32 • Paula Caeiro Varela

Congressistas subiram ao palco em Viana do Castelo para pedir ao PSD calma e cuidado neste processo.

A+ / A-

“A vida é tudo, haja responsabilidade!” – o apelo foi feito pela congressista Bárbara Barreiros no Congresso do PSD a propósito da legalização da eutanásia. Bárbara Barreiros e Humberto Domingues, também congressista e enfermeiro, subiram ao palco do Centro Cultural de Viana do Castelo para pedir ao PSD calma e cuidado neste processo.

“Este é um assunto delicado, precisa de ser discutido, apreciado e amadurecido na sociedade portuguesa”, disse Humberto Domingues, apelando ao presidente do partido e do grupo parlamentar, assim como a todos os deputados.

“Permitam-me com humildade pedir: cuidado! Não pode haver precipitação e amadurecer este tema fraturante da sociedade portuguesa para não embarcarmos em pressas em derraparmos em cascas de banana”, prosseguiu o enfermeiro, que fez um discurso em defesa do Serviço Nacional de Saúde.

Bárbara Barreiros, que falou pouco depois, também entende que “não houve ainda o necessário debate na sociedade civil” sobre este assunto e apelou aos representantes do PSD para que desenvolvam os procedimentos necessários para que seja feito um referendo.

“Votar um assunto deste teor e desta importância dentro de 15 dias, numa altura em que acabamos de votar o Orçamento do Estado e em que as televisões não falam de outro coisa que não seja o coronavírus é atirar areia aos olhos dos portugueses, é não ter respeito nenhum pelos portugueses votar sem o necessário debate e sem a necessária chamada de atenção para uma causa tão importante que é pôr fim à vida”, afirmou a congressista, concluindo: “E a vida é tudo, haja responsabilidade!”

O debate sobre a legalização da eutanásia está marcado para dia 20. Uma das moções temáticas a este 38º Congresso do PSD defende a realização de um referendo caso seja aprovada uma lei do Parlamento a legalizar a morte assistida.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.