|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Eutanásia. Debate está a ser colocado “da pior forma possível”

06 fev, 2020 - 15:42 • Ecclesia

O padre Vítor Feytor Pinto, antigo responsável nacional pela coordenação da Pastoral da Saúde destaca importância de defender a vida e apostar nos cuidados paliativos

A+ / A-

Leia também


O padre Vítor Feytor Pinto, antigo responsável nacional pela coordenação da Pastoral da Saúde na Igreja Católica, disse à agência Ecclesia que a questão da eutanásia, em Portugal, está a “ser colocada da pior forma possível”, ao não centrar o debate no direito à vida.

“Efetivamente, não é um problema religioso, é um problema humano. Não é um problema de opinião pessoal, é uma questão ligada à Constituição Portuguesa, aos Direitos Humanos: o direito à vida é incondicional”, referiu, em entrevista a respeito do Dia Mundial da Doente, que a Igreja celebra anualmente a 11 de fevereiro.

O sacerdote, professor de Ética, considera essencial que, na sociedade, todos possam ter a “a certeza de que, no fim da sua vida, não vão destruir a sua vida por conveniência política, económica ou das famílias”.

“Não se pode tirar a vida, por circunstância nenhuma”, sustenta.

Para o entrevistado, a aposta tem de passar pelos cuidados paliativos, admitindo que estes são “muito mais caros do que a precipitação da morte”, pelo que exigem a superação de uma visão meramente “técnica ou económica”.

“Temos de cultivar os cuidados paliativos – e eu sei muito bem isso -, porque são suficientemente eficazes para poder tirar completamente a dor. O sofrimento não tira, porque o sofrimento é espiritual”, observa.

Monsenhor Feytor Pinto cita a encíclica “Laudato Si”, do atual Papa, para sublinhar a emergência de um novo paradigma tecnológico, científico e económico, que sacrifica “o paradigma fundamental que é o da dignidade e da liberdade humana”.

“Não podemos tirar vida a ninguém, porque não há dignidade nem liberdade sem a vida”, conclui.

Na mensagem para o Dia Mundial do Doente 2020 (11 de fevereiro), o Papa reforça a oposição a projetos de legalização da eutanásia e sublinha dimensão sagrada de cada pessoa.

Dirigindo-se aos profissionais de saúde, Francisco pede que a sua ação vise “constantemente a dignidade e a vida da pessoa, sem qualquer cedência a atos de natureza eutanásica, de suicídio assistido ou supressão da vida, nem sequer se for irreversível o estado da doença”.

O texto refere que, em certos casos, a objeção de consciência pode ser uma “opção necessária” para os católicos que trabalham neste campo.

“A vida há de ser acolhida, tutelada, respeitada e servida desde o seu início até à morte: exigem-no simultaneamente tanto a razão como a fé em Deus, autor da vida. Em certos casos, a objeção de consciência deverá tornar-se a vossa opção necessária, para permanecerdes coerentes com este ‘sim’ à vida e à pessoa”, sustenta o pontífice.

No Dia Mundial do Doente, que a Igreja Católica celebra anualmente na festa litúrgica de Nossa Senhora de Lurdes, Francisco quer recordar as pessoas que, em todo o mundo, estão “sem possibilidade de acesso aos cuidados médicos”.

A Assembleia da República agendou para 20 de fevereiro o debate dos projetos do BE, PS, PAN e PEV sobre a despenalização da eutanásia em Portugal.

Nesse mesmo dia, pelas 12h30, a Federação Portuguesa Pela Vida vai promover uma concentração no Largo de São Bento.

Em 2018, a Assembleia da República debateu projetos de despenalização da morte medicamente assistida do PS, BE, PAN e Verdes, que foram chumbados numa votação nominal dos deputados.

Em 2016, a CEP publicou a Nota Pastoral “Eutanásia: o que está em causa? Contributos para um diálogo sereno e humanizador”, na qual os bispos católicos afirmam que “nunca é absolutamente seguro que se respeita a vontade autêntica de uma pessoa que pede a eutanásia”.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Adélio Pequenino
    08 fev, 2020 20:59
    Esta ralé da esquerda é sanguinária. Defende a morte prematura dos que não dão rendimento. ;Mas eles dão tudo para prolongar a vida deles. Cristo cansou - se de falar contra essa esquerda, a quem chamou : cabritos. E são - no , de facto. São sanguinários. Mas a culpa não é só deles. Também é de quem os liberta com o voto. Enquanto o povo livre se deixar cair na tentação não será povo livre mas sim povo escravo. Felizes os que acreditam em Deus e trilham, a sério, os seus caminhos. Para esses, uma boa noite e um Santo Domingo.
  • Sebastião Brandão
    08 fev, 2020 Lisboa 14:21
    Deus deu-nos a Vida e nós vamos destrui-la! é um bem essencial para todos nós, devemos dar graças a Deus por nos prolongar a Vida contra todos aqueles que a querem destruir por sua comodidade, isto é egoísmo, devemos realçar a nossa Vida como um Bem Precioso oferecido por Deus.