|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Médico que alertou para o surto de coronavírus em Wuhan morre da doença

06 fev, 2020 - 16:48 • Filipe d'Avillez

Li Wenliang, 34 anos, foi convocado pelas autoridades chinesas e proibido de falar do assunto. Já doente, criticou o sistema, pedindo mais abertura e transparência.

A+ / A-

O médico que foi um dos primeiros a denunciar o surto de coronavírus em Wuhan morreu esta quinta-feira da própria doença.

Li Wenliang, de apenas 34 anos, chegou a ser perseguido pela polícia chinesa por “espalhar boatos” quando denunciou nas redes sociais, em finais de 2019, que havia uma série de casos suspeitos de uma variante da gripe no hospital onde trabalhava.

Os sintomas dos sete pacientes que estavam na altura em quarentena lembravam-lhe o SARS, outra variante de Coronavírus, e avisou os seus colegas para usarem máscaras de proteção. Infelizmente o próprio acabou por sucumbir à doença quando operava uma mulher por outra razão, sem perceber que também ela estava infetada.

Pouco depois de ter feito os comentários foi chamado a comparecer no departamento de segurança pública e acusado de divulgar comentários falsos que punham em causa a ordem pública. Se continuasse a falar da doença, disseram-lhe, seria conduzido à justiça.

Na altura aceitou não voltar a falar do assunto, mas mais tarde seria o Supremo Tribunal chinês a criticar as autoridades que o interrogaram.

Li era casado e tinha um filho já nascido e outro a caminho. Os seus pais também foram infetados. Numa entrevista dada já da sua cama de hospital disse ao New York Times que “se os responsáveis tivessem divulgado mais cedo a informação sobre a epidemia a situação poderia ter sido muito melhor.”

“Devia haver mais abertura e transparência”, afirmou.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.