RR
|
A+ / A-

OE 2020. Medicamentos para animais passam a ser dedutíveis no IRS

05 fev, 2020 - 12:04 • Redação

O PS volta atrás e vai deixa cair dupla taxa sobre cães e gatos.

A+ / A-

As despesas com medicamentos para animais de companhia vão passar a ser dedutíveis no IRS.

A proposta do PAN (O Partido das Pessoas dos Animais e da Natureza) foi aprovada com uma maioria ampla do PS, Bloco de Esquerda, Chega e Iniciativa Liberal. O PSD absteve-se e os comunistas votaram contra.

“Os medicamentos veterinários assumem importância na prevenção e tratamento das doenças que afetam os animais. Atendendo a que na União Europeia, a venda de produtos para saúde animal carece de aprovação oficial (“Registados” ou “Licenciados”) pelas autoridades nacionais e/ou europeias, assente numa avaliação científica por peritos independentes, a despesa com medicamentos veterinários deve também estar sujeita a dedução em matéria de IRS”, podia ler-se na proposta.

PS volta atrás e deixa cair dupla taxa

O PS entregou uma alteração à proposta relativa aos animais de companhia, que isenta os gatos da dupla taxa e que só exige aos cães não perigosos um registo único no veterinário e o pagamento da taxa anual nas juntas de freguesia, segundo a "Executive Digest".

A medida é votada esta quarta-feira no Parlamento, no âmbito da discussão do Orçamento para 2020.

Os socialistas querem que os donos de gatos passem a fazer o registo no Sistema de Informação de Animais de Companhia (SIAC). Já os cães de raças não perigosas só pagam o registo no SIAC uma única vez, mas têm de pagar nas juntas a licença anual. De acordo com o PS, no ano em que é feito o registo no SIAC não é necessária a licença, ou seja, não há duplo pagamento.

Por outro lado, os cães adoptados em centros de recolha, donos em situação de carência económica e sociedades zoófilas ficam isentos da taxa anual após o primeiro ano.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cristina Pequeno
    08 fev, 2020 Seixal 22:49
    Ha medicamentos veterinarios e não só...q são comprados na farmácia que não entram... ficam nas despesas de saúde, e não de veterinária ! Para isso ficar correto o animal tinha q ter nif 🙄🙄🙄 Quem ja tem muitas despesas pessoais de saúde... e compra pipetas, cremes, loções,champoos e outros produtos e até medicamentos como lasix, ,lepicortinolo, aluporinol etc etc para os patudos...não vai contar em nada em despesas de veterinária! Lei mal pensada!
  • rosa laranjeira
    06 fev, 2020 17:25
    Estou confusa sobre as licenças dos cães é para continuar a pagar ou não?
  • me
    06 fev, 2020 13:27
    Acho bem. Quando a fome bater à porta, será bom termos alimentos saudáveis em casa.