|
A+ / A-

CDS junta-se ao PCP e abstém-se na proposta do PSD para cortar IVA da luz

05 fev, 2020 - 20:49

Com esta posição, a aprovação da proposta social-democrata parece condenada.

A+ / A-

O CDS também vai abster-se na votação da proposta do PSD para cortar IVA da eletricidade de 23% para 6%, apurou a Renascença.

Os deputados centristas vão abster-se tanto no diploma do PSD para descer o IVA como nos artigos com as contrapartidas.

O sentido de voto do CDS é conhecido depois de o PCP anunciar que vai abster-se na proposta do PSD para baixar o IVA na luz. A medida faz parte das propostas de alteração ao Orçamento do Estado de 2020 (OE 2020).

Os comunistas, explicou João Oliveira numa conferência de imprensa, no Parlamento, vão votar a favor do princípio da baixa do IVA, mas abster-se na parte do artigo que prevê as contrapartidas e que "condicionam a aplicação" da medida.

João Oliveira apela a que os restantes partidos votem favoravelmente a proposta dos comunistas, a única que garante a descida do IVA da eletricidade sem condicionamentos.

“Se o IVA não descer para 6% a responsabilidade é dos partidos que recusarem a única proposta que não suscita problemas quando à sua possibilidade de concretização", defende o líder parlamentar do PCP.

João Oliveira receia que as "hesitações e contradições em que o PSD se tem enredado" levam o PCP a "recear que esteja apenas a ensaiar manobras de distração como que fez na contagem do tempo de serviço dos professores".

PSD altera proposta e contrapartidas

O presidente do PSD, Rui Rio, anunciou esta terça-feira que o partido substituirá as contrapartidas que propunha para descer o IVA da luz por um corte menor nos gabinetes ministeriais e um ajustamento no excedente orçamental de 0,25% para 0,20%.

Por outro lado, os sociais-democratas alteram a entrada em vigor da medida para 1 de outubro, e não em 1 de julho, como previa a proposta inicial.

Segundo as contas de Rui Rio, a descida do IVA da luz para consumo doméstico custará 31 milhões de euros por mês, perto de 94 milhões para o trimestre.

Tal seria compensado por um corte de 8,5 milhões de euros nos gabinetes ministeriais, repondo a despesa aos níveis de 2019, e por um ajustamento do excedente orçamental, que o líder do PSD diz estar nos 0,25%.

O primeiro-ministro, António Costa, afastou, esta quarta-feira, e, Bruxelas, um cenário de crise politica por causa descida do IVA da electricidade, declarando, questionado sobre uma eventual ameaça de demissão como sucedeu no caso dos professores, que não colocou a "questão nesses termos".

António Costa falou depois de o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro, ter avisado o PSD que terá de assumir "por inteiro" a responsabilidade pelas propostas que apresenta de alteração ao Orçamento de Estado, inclusivamente se proporcionam condições de governabilidade.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.