|
A+ / A-

Montepio

Tomás Correia enfrenta multas de até 7,5 milhões de euros sob novas acusações do BdP

04 fev, 2020 - 13:32 • Liliana Monteiro

Antigo líder do Grupo Montepio tem 30 dias úteis para se defender das novas acusações do supervisor.

A+ / A-

O antigo líder do Grupo Montepio, que saiu definitivamente da instituição no final do ano passado, enfrenta um novo conjunto de acusações do Banco de Portugal (BdP). Se confirmadas, estas acusações podem resultar em contraordenações num valor total de 7,5 milhões de euros.

Entre as cinco contraordenações notificadas na segunda-feira, através de um anúncio divulgado no jornal "Público", destaca-se aquela em que o Banco de Portugal acusa Tomás Correia de, enquanto presidente da Caixa Económica Montepio Geral, não ter refletido nas contas divulgadas aos investidores a informações sobre o potencial impacto de produtos complexos e de alto risco na solidez da instituição financeira.

A abertura do processo, aponta o "Público", teve lugar num conselho de administração do Banco de Portugal a 1 de março de 2017, como consta da notificação, e culminou na acusação em dezembro do ano passado, mês em que Tomás Correia abandonou o Montepio.

O antigo presidente da instituição tem agora 30 dias úteis para se defender das novas acusações do supervisor.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.