RR
|
A+ / A-

Assassinado um dos seminaristas raptados na Nigéria

03 fev, 2020 - 13:32 • Filipe d'Avillez

Os outros três rapazes raptados foram libertados, mas Michael Nnadi, de 18 anos, foi morto pelos criminosos que o levaram.

A+ / A-

O único dos quatro seminaristas raptados na Nigéria que ainda não tinha sido libertado foi assassinado, declarou no fim-de-semana o bispo da sua diocese.

Michael Nnadi e três dos seus colegas foram raptados no dia 8 de janeiro por um grupo criminoso que tomou de assalto o seminário onde estudavam.

Poucos dias depois foi libertado um dos seminaristas, gravemente ferido, que se encontra a recuperar no hospital. Outros dois foram libertados na sexta-feira passada.

Durante o fim-de-semana, contudo, o bispo Matthew Hassan Kukah anunciou a morte do quarto rapaz, de apenas 18 anos.

“Com o coração pesado, quero informar que o nosso querido filho Michael foi assassinado pelos bandidos, numa data que não podemos confirmar. Ele e a mulher de um médico foram arbitrariamente separados do grupo e executados. O reitor do seminário identificou esta tarde o corpo do jovem”, disse o bispo, no passado sábado.

O bispo de Sokoto, na Nigéria, acrescentou que o anúncio da morte de Michael Nnadi foi adiado até que a sua família fosse informada.

A Nigéria é atualmente um dos países em que é mais perigoso ser-se cristão. Entre raptos por parte de bandos criminosos e atentados levados a cabo por grupos fundamentalistas islâmicos como o Boko Haram existe ainda um conflito de contornos tribais entre os pastores de gado, de maioria muçulmana e os agricultores de maioria cristã que já fez centenas de vítimas.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.