Tempo
|
A+ / A-

Portugal ainda livre de coronavírus. Caso suspeito não se confirma

01 fev, 2020 - 10:54 • Marta Grosso com Lusa

Homem avaliado no Hospital de São João, no Porto, esteve na China e apresentava sintomas de infeção pelo novo coronavírus.

A+ / A-

Deu negativo o resultado o teste ao coronavírus feito ao homem de 46 anos que apresentou sintomas da doença na sexta-feira, no Porto.

O homem foi encaminhado para o Centro Hospitalar Universitário de São João, no Porto, e avaliado. Neste sábado, fica-se a saber que não se trata de um caso de coronavírus, apesar dos sintomas apresentados.

Este foi o segundo caso suspeito em Portugal. O primeiro, na semana passada (25 de janeiro), também deu resultado negativo. O país mantém-se assim sem registo oficial de qualquer pessoa infetada por coronavírus.

Na quinta-feira, a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou situação de emergência de saúde pública de âmbito internacional por causa do surto do novo coronavírus, que já provocou 259 mortos na China. Este estado pressupõe a adoção de medidas de prevenção e coordenação à escala mundial.

A ministra da Saúde, Marta Temido, assegura que os hospitais estão preparados para lidar com uma eventual epidemia e que a situação está a ser tratada de forma “tranquila, mas rigorosa”.

Os sintomas associados à infeção causada pelo novo coronavírus são mais intensos do que uma gripe e incluem febre, dor, mal-estar geral e dificuldades respiratórias, como falta de ar.

A DGS pede a quem regresse de Wuhan ou de outras regiões afetadas na China e que apresente febre, tosse ou dificuldades respiratórias que contacte o SNS24 – 808 24 24 24.

Numa orientação divulgada na quinta-feira à noite, a DGS informou que os casos suspeitos de coronavírus detetados em Portugal devem ser colocados numa área de isolamento e os profissionais que os detetem devem usar equipamentos de proteção individual.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.