|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

"Valeu a pena". Seis mil protestaram contra proposta de aumento de 0,3% na função pública

31 jan, 2020 - 19:00 • José Carlos Silva , com Lusa

Em declarações à Renascença, o secretário-geral da CGTP congratula-se pelo regresso do Governo às negociações, mas espera para ver quase será a proposta de aumento.

A+ / A-

Cerca de seis mil funcionários públicos manifestaram-se esta sexta-feira, em Lisboa, por melhores salários. O secretário-geral da CGTP diz que “valeu a pena”, porque o Governo aceitou voltar à mesa das negociações.

A manifestação partiu do Marquês de Pombal pelas 15h10 e chegou às 16h20 a São Bento, junto da residência oficial do primeiro ministro, António Costa, e, segundo as estimativas da polícia, estão entre seis a sete mil pessoas no protesto.

Em declarações à Renascença, Arménio Carlos, secretário-geral da CGTP, diz que continua “extremamente motivado, porque a luta vale a pena”.

“Às vezes, não se consegue resolver logo no imediato, mas a curto-médio prazo atingimos os nossos objetivos. A manifestação de hoje prova outra coisa: estamos a fazer uma greve e uma grande manifestação, em Lisboa, no preciso dia em que, esta manhã, o Governo, que já tinha encerrado as negociações com a Administração Pública, acabou por reconhecer que vai ter que as reabrir para promover uma atualização do salário que, anteriormente, dizia que não podia fazer. Já valeu a pena, mas não chega. É preciso conhecer o valor”, afirma Arménio Carlos.

Os funcionários públicos exigem um aumento de 90 euros já a partir de janeiro deste ano, mas o Governo, inicialmente, não foi além de 0,3%.

Durante o protesto nacional desta sexta-feira, em Lisboa, os manifestantes gritaram frases de ordem como "Agora que há excedente, que venha para a gente" e "Para a banca e capital há milhões, para os trabalhadores há tostões", que se fizeram acompanhar por assobios, quando o protesto passou junto à sede do Partido Socialista, no Largo do Rato.

Esta é a primeira greve nacional da função pública desde que o atual Governo liderado por António Costa tomou posse, em outubro, e acontece a menos de uma semana da votação final global da proposta de Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), marcada para 6 de fevereiro.

O Governo apresentou uma proposta de aumentos salariais de 0,3% para a função pública e chegou a dar a negociação por encerrada, mas a responsável pela pasta, a ministra Alexandra Leitão, voltou entretanto a convocar as organizações sindicais para reabrir o processo negocial, uma reunião que está marcada para 10 de fevereiro, após a votação do OE 2020.

A decisão não foi suficiente para travar a paralisação, com a ministra a declarar que "nunca foi propósito da marcação desta negociação com os sindicatos levá-los a desmarcar a greve" que, afirma, "é um direito integralmente respeitado".

A anterior greve nacional da função pública que juntou as federações sindicais do setor da CGTP e da UGT realizou-se no último ano da anterior legislatura do governo de António Costa, em 15 de fevereiro de 2019, contra a política salarial do executivo, e teve uma adesão superior a 80%, segundo os sindicatos.

Em 2019 não houve atualização salarial geral, mas o Governo decidiu elevar a remuneração mínima do Estado de 600 euros (equivalente ao valor do salário mínimo nacional naquele ano) para 635,07 euros.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    31 jan, 2020 Lisboa 20:53
    Teatro de ambos os lados: o governo faz uma proposta de aumentos ridícula dizendo que não pode ir além, quando evidentemente pode, só diz que não pode. Os Sindicatos do regime, a braços com a deserção generalizada de associados e o aparecimento de novos sindicatos não ligados a agendas partidárias, necessitam mesmo de "mostrar serviço" e lá vão avisando o governo que lidar com sindicatos não enquadrados pelo regime - Sindicato novo dos Enfermeiros, Sindicato dos motoristas de matérias Perigosas, sindicato dos estivadores de Setubal, S.T.O.P., etc - e portanto incontroláveis, pode trazer surpresas desagradáveis ao governo. Então juntam-se à mesma mesa, governo e dirigentes eternos dos sindicatos do regime e o governo finge que cede e os sindicatos regimentais, que tiveram uma grande vitória - de mais uns 2 ou 3 cêntimos. E todos ficam contentes, até o Centeno que hoje em salários que não vai pagar, deve ter arrecadado alguns milhões que fazem muita falta aos Bancos.