Tempo
|
A+ / A-

Das escolas à saúde. Vai ser a sexta-feira de (quase) todas as greves

31 jan, 2020 - 02:23 • Lusa

​Frente Comum espera "grande adesão" na manifestação nacional em Lisboa.

A+ / A-

Professores, médicos, enfermeiros, técnicos de diagnóstico, funcionários da recolha do lixo e de outros serviços do Estado vão fazer greve esta sexta-feira. Para Lisboa, está marcada uma manifestação nacional.

A coordenadora da Frente Comum, Ana Avoila, espera "uma grande adesão" para a manifestação nacional da função pública que se realiza esta sexta-feira, em Lisboa, esperando que o Governo "ouça bem alto os protestos".

"[A manifestação] vai ter uma grande adesão, temos já elementos que nos dizem isso. Os serviços vão estar fechados, grande parte dos serviços, no sentido de as pessoas poderem estar na manifestação", afirmou Ana Avoila aos jornalistas, durante uma conferência de imprensa à porta do Hospital de São José, em Lisboa.

A Frente Comum da Administração Pública, da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses - Intersindical Nacional (CGTP), convocou em dezembro uma manifestação nacional para esta sexta-feira contra a proposta de aumentos salariais de 0,3%, a que se seguiu o anúncio de greves nacionais por parte das estruturas da União Geral de Trabalhadores (UGT) - a Federação Nacional dos Sindicatos da Administração Pública (Fesap) e a Frente Sindical liderada pelo Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE).

Ana Avoila sublinha que é "dia de estar na rua para que o Governo ouça bem alto os protestos dos trabalhadores", reiterando a reivindicação de 90 euros de aumento salarial para todos os trabalhadores a partir de 1 de janeiro.

A sindicalista reafirmou que a proposta do Governo liderado pelo socialista António Costa "não tem qualquer sentido".

À semelhança de Ana Avoila, o secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), Mário Nogueira, vincou que a manifestação "vai ter uma grande adesão" de docentes e que vai mostrar que a proposta de OE2020 "faz a pior opção de todas" para o país.

"A noção que temos [é que], pelos autocarros que são bastantes [e que] já estão confirmados, que muitos professores vão estar presentes, como estarão também trabalhadores não docentes das escolas, como estarão trabalhadores da saúde (...). Pensamos que vai ser uma grande manifestação e que vamos ter, sobretudo, os serviços. de uma forma geral, encerrados", explicitou o dirigente sindical.

Mário Nogueira voltou a criticar a reunião marcada pelo Governo para 10 de fevereiro - quatro dias após a votação final global da proposta de Orçamento do Estado para este ano -, para discutir os aumentos salariais na função pública, considerando que é tardia.

Questionado pelos jornalistas sobre se é possível esperar um ano com muita contestação dos sindicatos, o secretário-geral da Fenprof referiu que gostaria que "não fosse assim". Contudo, "de facto, se o rumo da governação e da política fora aquele que o OE nos faz perceber que vai ser", então "com certeza que os trabalhadores não vão ficar calados", acrescentou.

"Costuma-se dizer que só não se sente quem não é filho de boa gente. Os trabalhadores portugueses são filhos de ótima gente", ironizou o sindicalista.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Sindicalista
    31 jan, 2020 Aqui 09:00
    Como se o governo se importasse com uma gritaria de rua, feita sempre pelos mesmos. As mesmas taticas de sempre e que há muito deixaram de resultar. Fazer greve 1 dia, é dar mais algumas dezenas de milhões de Euros ao Centeno. para ele apresentar bons numeros em Bruxelas e mandar mais dinheiro para a Banca. Ainda se os sindicatos do regime dissessem " compareçam nos locais de trabalho, mas não trabalhem. aí são obrigados a pagar o salário" . Mas não. E nem sequer falam em pagar eles o dia. Precisamos urgentemente ou de sindicatos novos e lutadores, além duma grande vassourada nos sindicatos do regime com dirigentes que se eternizam nos cargos e que já não têm soluções.