RR
|
Henrique Raposo
Opinião de Henrique Raposo
A+ / A-

Nem ateu nem fariseu

Não há "instinto maternal"

31 jan, 2020 • Opinião de Henrique Raposo


"Cuidar bem dos filhos" é uma acção que não nasce num instinto fofinho e feminino. Nasce, aliás, no exacto oposto: nasce no amor, que é sempre uma decisão racional e não instintiva, e que é naturalmente uma decisão unissexo, tanto pode ser deles como delas.

Não há "instinto maternal". As mulheres não são à partida melhores progenitores do que os pais. Se há instinto para ter e proteger filhos, esse instinto é partilhado por homens e mulheres, não é exclusivo das mulheres. Ou seja, o "instinto maternal" como algo específico das mulheres e alienígena para os homens é uma ideia que dá jeito a quem quer manter a sociedade de 2020 ancorada em 1950: mulher em casa a tratar dos filhos, prejudicando a sua carreira e os seus sonhos; o homem na rua, procurando os seus sonhos profissionais e entregando os filhos à mulher, à mãe, à criada, à tia, à vizinha, à sogra, à irmã.

Muitos homens adoram esta ideia, porque assim não têm de crescer, são adolescente eternos até aos 60; passam directamente da adolescência à velhice sem passarem pela idade madura. Muitas mulheres, por outro lado, também aceitam a ideia, porque, pelo menos assim, são líderes em alguma coisa, têm uma soberania garantida. Como não têm acesso ao topo do sucesso profissional e público, agarram-se ao mito da intrínseca superioridade moral da mulher no campo da educação dos filhos. Sucede que o amor não é monopólio de um género. Não se confunda biologia com moral. O útero não é o coração.

Não conhecem os estudos sobre as depressões pós-parto e sobre as depressões nas mulheres causadas pela infância dos filhos? Se existisse o tal "instinto maternal", essa alquimia mágica e exclusiva das mulheres, estas depressões não seriam uma dura realidade quotidiana e a maternidade seria gozada ao som de harpas celestiais. Sucede que os filhos não são querubins, e a maternidade não é uma harpa, é uma bateria gótica. E, já agora, não conhecem os números do infanticídio, única forma de violência doméstica e sentimental em que a mulher iguala ou supera o homem? Se não querem estudos, olhem para a literatura. Vou dar só alguns exemplos a partir do que li nos últimos tempos. Em “A Sangue Frio”, de Truman Capote, a mãe que acaba assassinada tinha uma depressão causada pelo tal trabalho doméstico - era a típica dona de casa desesperada. Não existe um "instinto maternal" para nos salvar da ansiedade gerada pelos filhos. Quem tem filhos tem cadilhos. Reparem também na mãe da Lenu da saga de Elena Ferrante. Aquela mãe é dominada pelo ressentimento que sente pela filha; Lenu é protegida pelo pai, não pela mãe. Em "Servidão Humana", Somerset Maugham mostra-nos uma paleta de personagens femininas que são tudo menos primores maternais; o fantasma do infanticídio paira como um fantasma. Reparem ainda nas duas memórias que estão a agitar a consciência de classe nos EUA: “Hillbilly Elegy”, de JD Vance, e “Heartland”, de Sarah Smarsh. Ambos relatam comunidades dominadas por mulheres ressentidas contra os próprios filhos. Querem continuar?

Também não existe instinto maternal na gravidez. Como salienta Gina Loeher na católica "First Things", a gravidez pode ser uma via sacra. Boa parte das mulheres odeia a gravidez em silêncio, sem protestar. É como se tivessem de sentir culpa pelo incómodo físico e moral causado pela nova vida que cresce no seu útero. Claro que o bebé não é um intruso que tem de ser expulso. É uma bênção, mas é uma bênção dura. Os filhos são sagrados desde a concepção, sim, mas isso não significa a adopção do discurso cor-de-rosa sobre os espinhos da gravidez. Este optimismo ilusório até é contrário à mensagem do Evangelho: a vida passa sempre pela cruz.

Criar filhos não é um instinto só de mulheres, é uma decisão moral de homens e mulheres. Não, não é um chip natural que se esconde nas mulheres e que se liga por artes artes mágicas quando ouve o choro da criança, como se fosse um robô de cozinha incrustado no adn feminino, um robô-babysitter que começa a fazer tudo sozinho. Este robô instintivo é um mito. "Cuidar bem dos filhos" é uma acção que não nasce num instinto fofinho e feminino. Nasce, aliás, no exacto oposto: nasce no amor, que é sempre uma decisão racional e não instintiva, e que é naturalmente uma decisão unissexo, tanto pode ser deles como delas. Ser mãe (ou pai) é aceitar um filho mesmo quando se sabe de antemão que não há alquimia instintiva que nos salve da angústia e do cansaço. Ser mãe (ou pai) é aceitar o filho mesmo quando se conhece de antemão o pesadelo da gravidez, a dor do parto, possibilidade da depressão pós-parto, o cansaço físico e mental gerado pela infância. Não é instinto, é amor e sacrifício - duas características que não são monopólio das mulheres.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • pdapaula@hotmail.com Paula
    05 fev, 2020 12:54
    Estive a pensar neste título: Não há "instinto maternal". Reparei na utilização das aspas, tão em voga, e penso que compreendi a mensagem que o artigo quer fazer passar. Mesmo assim...A predisposição inata para acolher e proteger a vida não será anterior ao amor? Não será o instinto, como impulso primordial, que leva à construção, bem mais complexa, do amor maternal? Não há instinto maternal? Sem aspas! Certezas não tenho, mas procuro...
  • João Lopes
    03 fev, 2020 20:33
    Artigo interessante!
  • Manuela
    01 fev, 2020 11:18
    Desta vez não concordo consigo, Henrique Raposo! tenho dois filhos, a gravidez nunca me incomodou! Os meus filhos quando eram crianças nunca me incomodaram! eu tinha um balde cheio de carrinhos, tinha o chão alcatifado, primeiro aspirava o chão, depois despejava o balde dos carrinhos no chão da entrada, com molas da roupa, ensinei o meu filho mais velho, a fazer estradas, e depois com cartolina fiz sinais de trânsito, coloquei os carrinhos e ensinei o meu filho a brincar, sentava-me no chão e dizia-lhe: estes param no sinal e aqueles avançam... comprei-lhe uma garagem de dois pisos e tinha um elevador que fazia os carros subirem e depois desciam por uma rampa! o chão da entrada que tinha 10 metros quadrados era para as brincadeiras dele, a entrada só tinha uma mesinha pequena com o telefone, não havia mais nada! as pessoas achavam mal, quando tocavam a campainha, eu tinha que ir quase em bicos de pés por cima das molas da roupa e demorava um bocado para abrir a porta! a minha resposta era sempre a mesma: ele tem que brincar! Quando nasceu o mais novo aquele já tinha 11 anos; este não gostava daquelas brincadeiras; eram os legos todos espalhados,porque gostava mais de construções,fazia casas,quintais,tinha vacas,porcos,patos... tinha uma carrinha de transportar animais,tinha uns bonecos que montavam os cavalos... Antes do meu marido chegar arrumava-se tudo, senão era uma chatice... ele, com os pés estragava tudo e os miúdos choravam! Quem tem mais paciência? a mãe! sem dúvida.
  • Joaquim Santos
    31 jan, 2020 Tojal 09:42
    Se há mães que abandonam os filhos, pelo exposto leram muito Henrique Raposo e outros seus correlegionários. Henrique não estás tu a defender uma doutrina que é contraria ao evangelho, embora o sites para dizeres que és um iluminado nas coisas de Deus. Não acarretes lenha para o fogo que te irá devorar. À mulher Deus dá um amor muito próximo do seu. Pois a mulher foi criada para o amor. Quem muito sofre muito ama!