|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

Henrique Raposo
Opinião de Henrique Raposo
A+ / A-

Nem ateu nem fariseu

​A Raquel Tavares somos todos nós

17 jan, 2020 • Opinião de Henrique Raposo


Portugal é um país soterrado em problemas mentais, porque é um país soterrado em códigos de silêncio. Temos uma imensa violência mental debaixo da capa dos brandos costumes. Falem. Sigam o exemplo da Raquel Tavares.

Cada um de nós vê a realidade com lentes próprias, especiais, intransmissíveis. Neste quadro único e insubstituível, existem alarmes que podem ser vistos como as nossas obsessões, são aqueles temas que levam os nossos amigos a dizer "Oh, lá vem ele falar daquilo outra vez". Um dos meus alarmes é a doença mental dos famosos. À medida que vou conhecendo novos casos, vou construindo um mapa com rostos: de Kevin Love, jogador da NBA, a André Gomes, jogador de futebol, passando por cantoras como Marta Ren, modelos como Ashley Graham e escritoras como Lena Dunham, tenho uma lista mental de famosos que reconheceram os seus problemas mentais.

Porquê? Quando revela esta bravura, quando deixa cair a sua persona, quando deixa de falar com a voz postiça da fama e a assume a sua voz interior, o famoso não está só a salvar a sua sanidade e talvez a sua própria vida, está a salvar muitas pessoas anónimas que ainda têm vergonha em assumir a doença mental. Quando assume a depressão, o famoso está a liderar pelo exemplo e salva literalmente vidas com essa atitude. A Raquel Tavares, estou certo, já salvou vidas com a sua franqueza tão rara no meio artístico, sobretudo num meio pequeno como o português.

A doença mental tem de ser vista como a doença física: o cérebro faz parte da nossa biologia, e as seus fluxos químicos podem ser danificados pelo trauma mental da mesma forma que os fluxos sanguíneos podem ser danificados pelo trauma físico. Uma pessoa com uma doença mental não é "um fraco que não aguenta", é só uma pessoa. E todos nós passamos por estes infernos interiores. Ninguém, nem a diva nem o herói, é imune à depressão, ao burnout, à ansiedade, às neuroses ou maleitas ainda piores. A questão é se temos ou não a coragem para assumir o problema e para depois tratá-lo na medida do possível. Às vezes não é possível curá-lo. Às vezes, o problema mental é crónico. Mas, mais uma vez, convém normalizar: a dor mental pode ser crónica, mas os diabetes também são. Aprende-se a viver com essa limitação. Não é o fim.

É por tudo isto que gostava de sublinhar a coragem de Raquel Tavares, que assumiu a sua profunda tristeza provocada pela carreira e, sim, pela tensão do sucesso. Fez-me lembrar os malogrados Robert Enke e Anthony Bourdain: a pressão do sucesso é isso mesmo, uma pressão, um rolo compressor que não admite pausas, a bicicleta que não pode parar. Se lerem a biografia do Robert Enke, “Uma Vida curta Demais”, vão perceber isso. Para se salvar, para se salvar do suicídio que acabaria por cometer, Enke “só” tinha de ter feito uma confissão pública como esta de Raquel Tavares. Ao longo do livro, sente-se que ele fica perto desse momento, mas recua sempre devido à persona que construiu: um guarda-redes é duro e não tem momentos de hesitação, até porque o futebol, com o seu ambiente de caserna, não tolera fracos! Mas reconhecer este tipo de problema não revela fraqueza; pelo contrário, revela uma coragem de Ulisses. E, já agora, Ulisses chorava muito.

O sucesso soterrou Raquel Tavares e ela teve a coragem para reconhecer esse paradoxo. Teve a coragem para assumir que não se sente bem no actual cerco mediático a que os criadores estão sujeitos. Nunca foi tão difícil a exposição mediática, nunca. É abrasiva, é destruidora, limita-nos, corta-nos a liberdade de pensar, dizer, pensar, actuar, cantar. Há uma brutal ditadura da "coolness", que é uma espécie de excel fechado que impõe comportamentos e opiniões. Não sou do fado, a minha fadista preferida chama-se Marta Ren e canta soul. Não vou estar aqui a dizer que vou passar a ouvir a música de Raquel Tavares. Isso nem importa agora. O que estou a dizer é que, no actual espaço público português, não há ninguém mais corajoso do que Raquel Tavares. Famosos ou não, sigam o exemplo dela. Peçam ajuda. Não sejam esquisitos, falem com o padre, com o psicólogo, com o psiquiatra, com o periquito, falem. Tal como Cristo nos ensinou, nomeiem e verbalizem o vosso mal, porque não há nada mais mortífero do que um segredo a gangrenar na alma. Falem. Nomeiam. Portugal é um país soterrado em problemas mentais, porque é um país soterrado em códigos de silêncio. Temos uma imensa violência mental debaixo da capa dos brandos costumes. Falem. Sigam o exemplo da Raquel Tavares.

--

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Manuela
    20 jan, 2020 04:08
    Eu não conheço a Raquel Tavares, na medida que o fado é não é da minha preferência! mas compreendo que uma depressão cura-se com antidepressivos e alivia-se com coisas, que como eu costumo dizer, nos varram as ideias, como a música, dos 'Coldplay' por exemplo! uma pessoa com ansiedade não deve ouvir, quanto mais, cantar o fado! eu acho que ela fez bem sair e não deve tornar, senão volta novamente! quem apanha uma depressão, nunca fica completamente curado! pessoas que não sabem lidar com situações complicadas, devem fugir delas e ocuparem-se de qualquer coisa que gostem de fazer! mas é importante quando a depressão fica mais leve, que se ocupem, porque sentir que somos capazes de fazer algo, é muito importante! uma pessoa desmotivada, não tem vontade de nada! e o silêncio não ajuda! deve-se ouvir música baixo, que não canse a cabeça, mas que nos faça companhia! A pessoa que acompanha outra com uma depressão, sabe que é assim! não se deve deixar levar na onda, senão fica na mesma situação! a depressão não quer mimos, quer ser tratada como se fosse uma dor qualquer, que tem que se esperar que passe! não vamos gritar porque nos dói um pé, porque a dor não passa com gritos, passa com o tempo! e se a pessoa se enfurece e desata aos pontapés às coisas, o pé ainda dói mais! Casei-me há 50 anos, o meu marido de 5 em 5 anos é atacado por esse mal...eu tomo 2 tranquilizantes por dia, há 40 anos, para conseguir lidar com isso! O filho mais velho, já toma medicamentos também,mais fracos.
  • Filipe Lima
    17 jan, 2020 Viseu 16:33
    Parabéns pelo artigo. Subscrevo
  • Alvaro Machado
    17 jan, 2020 12:07
    Artigo muito bom e actual, infelizmente. Álvaro Machado
  • Maria Isabel Monteir
    17 jan, 2020 Porto 11:48
    Parabéns .. Sei o que é, como é ... Tenho o mesmo problema ando em tratamento ... Infelizmente o meu irmão não aguentou, suicidou-se Agradeço muito, muito,