|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Greve da função pública começa a ter impacto esta quinta-feira nos hospitais e recolha do lixo

30 jan, 2020 - 16:58 • Lusa

“Os trabalhadores cujos turnos começam às 20h00 ou às 23h00 já estão cobertos pelo pré-aviso de greve”, diz o secretário-geral da FESAP, José Abraão.

A+ / A-

A greve dos funcionários públicos que começa às 00h00 de sexta-feira terá os seus primeiros impactos ainda hoje ao final do dia, sobretudo nos hospitais e nos serviços de recolha de lixo, segundo fontes sindicais.

“Os trabalhadores cujos turnos começam às 20h00 ou às 23h00 já estão cobertos pelo pré-aviso de greve como é o caso do setor da saúde ou da recolha do lixo”, diz o secretário-geral da Federação dos Sindicatos da Administração Pública (Fesap), José Abraão, à Lusa.

Esta estrutura sindical da UGT, uma das que convocou a greve, a par do Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE), estima que a paralisação de sexta-feira vai ter "um impacto acentuado em setores fundamentais como a educação, através do encerramento de milhares de escolas, a saúde, com adiamento de milhares de consultas externas, cirurgias programadas e exames complementares de diagnóstico, bem como dificuldades no funcionamento dos serviços administrativos dos hospitais e unidades de saúde".

Também nas autarquias se preveem constrangimentos, como é o caso da recolha do lixo, tal como nos serviços da justiça, atendimento das lojas do cidadão, registos e notariado e Segurança Social.

A Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública, da CGTP, convocou uma manifestação nacional para sexta-feira à tarde, em Lisboa, para a qual foi também emitido um pré-aviso de greve para assegurar a participação dos trabalhadores de todo o país no protesto.

“Convocámos uma manifestação, mas o dia será também de greve e centenas de serviços vão fechar em todo o país”, diz a líder da Frente Comum, Ana Avoila, à Lusa.

O primeiro balanço da greve será feito ainda esta noite pelas estruturas sindicais.

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) marcou também greve para o mesmo dia, para reforçar a mobilização do setor da educação para o protesto.

Várias organizações sindicais do setor da saúde emitiram pré-avisos de greve para sexta-feira, entre elas as federações nacionais dos médicos (FNAM) e a dos enfermeiros (FENSE) e o Sindicato Nacional dos Técnicos Superiores de Saúde das Áreas do Diagnóstico e Terapêutica (STSS).

Esta é a primeira greve nacional da função pública desde que o atual Governo liderado por António Costa tomou posse, em outubro, e acontece a menos de uma semana da votação final global da proposta de Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), marcada para 06 de fevereiro.

Os sindicatos contestam a proposta de 0,3% de aumentos salariais para este ano apresentada pelo Governo, que consideram "ofensiva" após dez anos de congelamento, e a forma como o processo negocial decorreu.

O Governo voltou, entretanto, a chamar as organizações sindicais para uma reunião dia 10 de fevereiro, quatro dias após a votação final global do OE2020.

Além de aumentos salariais "dignos", as estruturas sindicais reclamam a correção da Tabela Remuneratória Única, a revisão do sistema de avaliação de desempenho e o alargamento da ADSE aos trabalhadores em regime de contrato individual de trabalho do Estado aos trabalhadores precários que foram regularizados.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.