|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Miguel Oliveira e Silva

Eutanásia. Fazer debate parlamentar sem conhecimento do parecer do Conselho de Ética é "falta de respeito"

30 jan, 2020 - 18:41 • Henrique Cunha

O ex-presidente do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida alude a uma "falta de respeito para com a chamada democracia participativa" e sugere que o Conselho antecipe a reunião prevsita para 17 de fevereiro.

A+ / A-

O ex-presidente do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida (CNECV), Miguel Oliveira e Silva, diz que "agendar uma votação sem conhecimento do parecer do Conselho de Ética é, no mínimo, uma descoordenação ou até falta de respeito".

"Um assunto desta natureza necessita, evidentemente, de leitura e reflexão amadurecida. Portanto, agendar uma votação - mesmo que não seja definitiva - sem conhecimento do parecer do Conselho de Ética é, no mínimo ,uma descoordenação ou até falta de respeito", diz à Renascença Miguel Oliveira e Silva.

O obstetra e professor de Ética Médica na Faculdade de Medicina de Lisboa acusa a Assembleia da República de "falta de respeito para com a democracia participativa".

"Acho que é descortês, acho que é uma pressa e acho que é uma falta de respeito para com a chamada democracia participativa, porque as pessoas têm que ver o parecer, têm que meditar sobre o parecer e têm que estudar o parecer."

A reunião do CNECV irá decorrer a 17 de Fevereiro e o parlamento agendou o seu debate para três dias depois, a 20. Neste quadro, o ex-presidente sugere que o CNECV antecipe a sua reunião, "se a Assembleia da República não adiar" o debate.

"O conselho tem que antecipar o plenário para libertar o parecer, o mais rapidamente, na semana que vem."

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.