|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Guiné-Bissau. Resultados eleitorais terão sido adulterados por “hackers” do Barreiro

29 jan, 2020 - 23:02 • Redação

Notícia foi avançada pela revista “Sábado”. Três piratas, que terão sido contratados por 75 mil euros, conseguiram entrar nos computadores da Comissão Nacional de Eleições da Guiné-Bissau e sabotaram o escrutínio.

A+ / A-

Os resultados das recentes eleições presidenciais na Guiné-Bissau foram adulterados por piratas informáticos sediados em Portugal, na zona do Barreiro. A notícia foi avançada pela revista “Sábado”.

Três “hackers”, que terão sido contratados por 75 mil euros, conseguiram entrar nos computadores da Comissão Nacional de Eleições da Guiné-Bissau através de um vírus.

Falsearam o resultado final das eleições de 29 de janeiro, dando a vitória final ao candidato Umaro Sissoco Embaló, do Movimento para a Alternância Democrática da Guiné-Bissau (MADEM-G15).

A revista “Sábado” explica que a investigação foi baseada na análise e recolha de documentos, depoimentos, mensagens escritas e de som.

A guerra em torno do pagamento dos piratas informáticos está na origem da revelação de todo o esquema de sabotagem dos resultados das eleições presidenciais na Guiné-Bissau.

A Comissão Nacional de Eleições confirmou, a 18 de janeiro, a vitória ao candidato Umaro Cissoko Embaló na segunda volta, com 53,55%, enquanto o adversário Domingos Simões Pereira, do PAIGC, não foi além de 46,45%.

O candidato do PAIGC recorreu e o Supremo Tribunal de Justiça da Guiné-Bissau ordenou uma recontagem dos votos.

"Tenho a convicção que o povo guineense nos dá a vitória nestas eleições presidenciais significa que os resultados provisórios agora publicados pela Comissão Nacional de Eleições estão profundamente impregnados de irregularidades, de nulidades, de manipulações, que consubstancia e une àquilo que consideramos um roubo e não podemos aceitar", disse Domingos Simões Pereira.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.