RR
|
A+ / A-

Deco

Portugueses continuam a endividar-se. Cada família tem em média cinco créditos

29 jan, 2020 - 07:03 • Fátima Casanova , Carla Caixinha

Mais de 29.000 sobreendividados pediram ajuda à Deco em 2019. "As famílias estão estranguladas financeiramente."

A+ / A-

Os números da Defesa do Consumidor mostram que no ano passado voltaram a aumentar os processos de apoio a famílias. Mais de 29.000 sobreendividados pediram ajuda à Deco, sendo a principal causa de endividamento a deterioração das condições laborais, em vez do desemprego.

À Renascença, a coordenadora do Gabinete de Proteção Financeira da Deco, Natália Nunes, revela que as famílias continuam a ter cinco créditos - um à habitação, dois cartões pessoais e dois cartões de crédito, tal como em 2018 - mas verifica-se um aumento dos montantes do crédito pessoal e dos cartões de crédito.

Os montantes médios, que em 2018 eram de 16.111 euros para o crédito pessoal e 7.580 euros para os cartões de crédito, subiram no ano passado para 22 mil euros e 8.300 euros.

Em termos percentuais, o crédito à habitação tinha um peso de 73% no total de créditos, o crédito pessoal 20% e os cartões de crédito 7%.

Analisando os dados, é possível verificar que mudaram as razões desse sobreendividamento, deixando o desemprego de ser a principal causa das dificuldades financeiras, sendo substituído pela deterioração das condições laborais, como atrasos de pagamento de salários e redução de horas extraordinárias ou comissões.

Um dado relevante é que, pela primeira vez, a saúde ganha peso entre as causas para as dificuldades financeiras. “Verificamos que a questão da baixa médica leva a que hajam situações de desequilíbrio orçamental, mas também os encargos com a saúde provocam esse mesmo desequilíbrio. Se somáramos estas duas causas elas representam 20%. É o primeiro ano que nos está a surgir esta situação”, explica Natália Nunes.

Há famílias "estranguladas"

A Deco lembra que os desempregados que regressaram no ano passado ao mercado de trabalho têm sido confrontados com contratos temporários e/ou parciais e que, do ponto de vista financeiro, esta situação conduz a insegurança e instabilidade e está aliada a baixos salários.

Outro motivo de preocupação está relacionado com a taxa de esforço suportada pelos consumidores, ou a percentagem do rendimento total do agregado familiar destinada ao pagamento das prestações de créditos, que no ano passado foi de 76%, contra 80% em 2018.

“Com esta taxa de esforço [76%], as famílias estão estranguladas do ponto de vista financeiro”, quando o recomendável é 35%, explica.

Para a Associação de Defesa do Consumidor devem ser criadas “regras muito apertadas” para a concessão de cartões de crédito, e a aplicação das recomendações à concessão de crédito ao consumo.

Os dados da Deco revelam ainda que a maioria (44%) dos consumidores que pedem ajuda à Deco eram trabalhadores do setor privado (contra 14% do setor público), 19% eram desempregados e outros 19% reformado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.