Tempo
|
A+ / A-

Luanda Leaks. Plataforma confirma que recebeu os dados de Rui Pinto

28 jan, 2020 - 17:25 • Lusa

A Plataforma de Proteção de Denunciantes em África (PPLAAF) refere também que o denunciante português "queria expor atividades ilegais ou contrárias ao interesse público”.

A+ / A-

A Plataforma de Proteção de Denunciantes em África (PPLAAF) confirmou que recebeu do "hacker" português Rui Pinto os dados relacionados com as recentes revelações sobre a fortuna da empresária angolana Isabel dos Santos. “Muitos meios de comunicação social de todo o mundo publicaram nos últimos dias informações importantes sobre a fortuna da família do ex-Presidente de Angolano José Eduardo dos Santos. A fonte do Luanda Leaks é o denunciante Rui Pinto”, refere a PPLAAF numa nota divulgada na sua página na Internet na segunda-feira.

A PPLAAF refere também que os dados que constam no Luanda Leaks foram confiados à plataforma “pelo denunciante Rui Pinto, que queria expor atividades ilegais ou contrárias ao interesse público”.

Esta nota da PPLAAF surge após os advogados de Rui Pinto terem revelado que o seu cliente entregou à plataforma em 2018 um disco rígido contendo dados relacionados com as recentes revelações sobre a fortuna de Isabel dos Santos.

Rui Pinto, criador do Football Leaks, uma plataforma onde foi publicada vária documentação secreta relativa a transferências e contratos de jogadores, vai responder em Portugal em julgamento no âmbito deste caso por 90 crimes, de acesso ilegítimo, acesso indevido, violação de correspondência, sabotagem informática e tentativa de extorsão, encontrando-se em prisão preventiva desde março do ano passado.

“Os advogados abaixo assinados declaram que o seu cliente, o Sr. Rui Pinto assume a responsabilidade de ter entregue, no final de 2018, à Plataforma de Proteção de Denunciantes na África (PPLAAF), um disco rígido contendo todos os dados relacionados com as recentes revelações sobre a fortuna de Isabel dos Santos, sua família e todos os indivíduos que podem estar envolvidos nas operações fraudulentas cometidas à custa do Estado angolano e, eventualmente, de outros países estrangeiros”, refere uma nota de William Bourdon e Francisco Teixeira da Mota.

No comunicado, os advogados de Rui Pinto dizem que fundador do Futebol Leaks procurou, desta forma, “ajudar a entender operações complexas conduzidas com a cumplicidade de bancos e juristas que não só empobrecem o povo e o Estado de Angola, mas podem ter prejudicado seriamente os interesses de Portugal”.

O Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ) revelou no dia de 19 de janeiro mais de 715 mil ficheiros, sob o nome de Luanda Leaks, que detalham esquemas financeiros de Isabel dos Santos e do marido, Sindika Dokolo, que terão permitido retirar dinheiro do erário público angolano, utilizando paraísos fiscais.

Na passada quarta-feira, a Procuradoria-Geral da República angolana anunciou que Isabel dos Santos tinha sido constituída arguida num processo em que é acusada de má gestão e desvio de fundos da companhia petrolífera estatal Sonangol e que visa também portugueses alegadamente facilitadores dos negócios da filha do ex-Presidente José Eduardo dos Santos.

De acordo com a investigação do consórcio, do qual fazem parte o Expresso e a SIC, Isabel dos Santos terá montado um esquema de ocultação que lhe permitiu desviar mais de 100 milhões de dólares (90 milhões de euros) para uma empresa sediada no Dubai e que tinha como única acionista declarada Paula Oliveira. A investigação revela ainda que, em menos de 24 horas, a conta da Sonangol no EuroBic Lisboa, banco de que Isabel dos Santos é a principal acionista, foi esvaziada e ficou com saldo negativo no dia seguinte à demissão da empresária da petrolífera angolana.

O EuroBic já anunciou que a empresária vai abandonar a estrutura acionista, o mesmo acontecendo na Efacec e já depois de os três membros não executivos do conselho de administração da NOS ligados a Isabel dos Santos terem anunciado a sua saída da operadora de telecomunicações.

Há uma semana, a consultora PricewaterhouseCoopers (PwC) anunciou o corte de relações com as empresas controladas por Isabel dos Santos, enquanto a Sonae disse estar a acompanhar a situação com preocupação, devido à alusão à NOS, controlada pela ZOPT, da qual é acionista, tal como Isabel dos Santos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • samypoker samypoker
    28 jan, 2020 porto 19:51
    Este JOAQUIM é mais um que vive bem com a corrupção...
  • Joaquim
    28 jan, 2020 Aqui 17:46
    Para quem não sabe, porque é ignorante ou pura e simplesmente não lhe convém saber, o estatuto de denunciante aplica-se a quem no exercício das suas funções tomou conhecimento de algo ilegal e por isso denunciou. Aí tem a proteção do estatuto de denunciante. Este estatura nunca poderia ser aplicado a quem rouba, como foi o caso do Rui Pinto. Se chegassem ao ponto de coroar o Rui Pinto, então estava aberta a caixa de Pandora numa terra que seria o paraíso dos ladrões. Toda a gente podia roubar desde que encontrasse, na casa do assaltado, qualquer coisa que o pudesse incriminar! Os jornalistas que defendem isto, não têm nada na cabeça ou então têm outras motivações, que não minha opinião são o fanatismo clubístico!
  • Joaquim
    28 jan, 2020 Aqui 17:45
    Mas afinal qual é a utilidade pública de tudo isto? É mais investimento estrangeiro em Portugal? Não, pelo contrário. Portugal ganha mais dinheiro com isto? Não, pelo contrário. Com isto está um consumir n de recursos do erário público , desde logo o Ministério Público, a PJ, Juizes, etc, etc! Como isto há uma debandada de capital estrangeiro a sair de Portugal e com isto, mais capital que poderia vir, provavelmente já não vem, porque não se pode dar um peido um pouco fora do sitio que têm logo um legião de jornalistas histéricos à perna, pensando eles que estão a fazer um grande serviço a Portugal ou como dizem, à democracia. Na minha opinião “única a utilidade pública de tudo isto” é coçar o ego de um sem numero de jornalistas com fanatismo clubístico, que querem a todo custo que a equipa deles ganhe fora do campo, já que não o conseguem ganhar dentro! Chegar ao ponto de dizerem (Lobo Xavier) que o Rui Pinto devia ser castigado pelo que denunciou no caso do Isabel dos Santos, Ronaldo, BES, etc, e ser absolvido/coroado pelo que divulgou dos e-mails do Benfica (ainda que ali não haja nada ou quase nada de especial)!!! Como é que é possível que o Miguel de Sousa Tavares (portista) e a Ana Gomes (por razões políticas) quererem coroar o Rui Pinto, quando, na minha opinião, o ÚNICO OBJETIVO DELE ERA GANHAR DINHEIRO COM TUDO ISTO, AMEAÇANDO E CHANTAGEANDO OS VISADOS, como alias foi provado no caso Doyen. Roubar informações de toda a gente, inclusive de Juizes?

Destaques V+