Tempo
|
A+ / A-

Luanda Leaks. Advogado de Rui Pinto confirma que hacker é o denunciante do caso

27 jan, 2020 - 08:27 • Carla Caixinha

Documentos terão sido entregues em 2018. Rui Pinto esclarece que "entregou este disco rígido, no cumprimento do que entende ser um dever de cidadania".

A+ / A-

Os advogados de Rui Pinto assumem, esta segunda-feira, que o hacker (pirata informático] português esteve por detrás da denúncia do caso Luanda Leaks, que envolve a empresária angolana Isabel dos Santos.

O comunicado dos advogados enviado à redação confirma que o jovem foi responsável pela divulgação de mais de 715 mil documentos que deram origem aquela investigação.

“Os advogados abaixo assinados declaram que o seu cliente, o Sr. Rui Pinto assume a responsabilidade de ter entregue, no final de 2018, à Plataforma de Proteção de Denunciantes em África (PPLAAF), um disco rígido contendo todos os dados relacionados com as recentes revelações sobre a fortuna de Isabel dos Santos, sua família e todos os indivíduos que podem estar envolvidos nas operações fraudulentas cometidas à custa do Estado angolano e, eventualmente, de outros países estrangeiros”, refere a nota.

De acordo com o mesmo texto, o jovem procurou ajudar a entender operações complexas conduzidas com a cumplicidade de bancos e juristas que não só empobrecem o povo e o Estado de Angola, mas podem ter prejudicado seriamente os interesses de Portugal.

“Rui Pinto esclarece que entregou este disco rígido, no cumprimento do que entende ser um dever de cidadania, e sem qualquer contrapartida, depois de tomar conhecimento das missões realizadas pela organização PPLAAF, permitindo que usassem os dados como entendessem.”

Os documentos entregues foram depois partilhados com o Consórcio de Jornalistas Internacionais (ICIJ) para tratamento mediático e o resultado desta investigação de 120 jornalistas de 36 meios de comunicação social, em 20 países, tem sido publicado nos últimos dias, com várias consequências: a investigação interna da firma de consultadoria PWC; a saída de Isabel dos Santos do EuroBic e da Efacec e o abandono dos seus advogados; e morte do gestor de conta do EuroBic.

No final, o comunicado revela que Rui Pinto “está satisfeito” por ver que, graças ao trabalho do consórcio de jornalistas, todos os dados foram verificados e validados e, portanto, “encabeçaram as revelações que necessariamente levarão à abertura de investigações criminais em muitos países, incluindo Portugal”.

De acordo com os advogados, foi graças ao Rui Pinto que os cidadãos tiveram “acesso à verdade de um extraordinário sistema de predação e corrupção, gravemente prejudicial para Portugal, Angola e outros países”.

Isabel dos Santos foi constituída arguida, em Angola, na sequência das revelações do Luanda Leaks. Neste momento, é suspeita de má gestão e desvio de fundos enquanto liderou a petrolífera estatal angolana Sonangol.

O pirata de 30 anos, natural de Vila Nova de Gaia, está preso preventivamente em Portugal desde março de 2019 e aguarda julgamento pelo envolvimento no caso Football Leaks, em que está acusado de 90 crimes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • JC 4357
    27 jan, 2020 VF Xira 16:49
    A prisão deste jovem é apenas uma tentativa desesperada das elites corruptas de evitar que estas coisas vão saindo. Mas enganaram-se e estas divulgações das máfias corruptas vão continuar. As elites económicas e políticas de Portugal embrulharam-se com os ladrões das elites de Angola, com dinheiro roubado a um povo que vive na miséria. Mas o que muitos consideram indigno e repugnante não é estas máfias... é isto estar a ser divulgado. Diz tudo sobre um povo e a sua (in)dignidade.
  • Cidadao
    27 jan, 2020 Lisboa 11:30
    Faço minhas as palavras do comentador anterior. Estas declarações "tresandam" a tentativa desesperada de ser considerado "denunciante" e não o que ele realmente é: um Hacker que tentou lucrar com informação roubada.
  • 27 jan, 2020 11:01
    um pirata informatico"a solta!
  • Joaquim
    27 jan, 2020 Aqui 09:22
    Isto é uma tentativa desesperado para se tentar safar! O Rui Pinto foi, é e será sempre um criminoso, cuja única intenção sempre foi a de ganhar dinheiro com a chantagem! E neste processo penso que também há atos criminosos por parte da Ana Gomes, susceptíveis de serem investigados!

Destaques V+