|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Ex-CEMGFA confirma reunião com Marcelo em que se falou sobre o furto de Tancos

27 jan, 2020 - 13:58 • Ana Rodrigues

O general Pina Monteiro confirmou, depois de questionado pelo advogado do ex-ministro da Defesa, o encontro em que o ex-director da Polícia Judiciária Militar (PJM), Luís Vieira, manifestou preocupação com o facto de a Polícia Judiciária civil ter tido conhecimento de que ia haver o roubo e não ter informado as Forças Armadas, impedindo qualquer possibilidade de evitar o assalto.

A+ / A-

O ex-Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, general Pina Monteiro, confirmou, esta segunda-feira, ao tribunal de Monsanto, ter estado numa reunião na Presidência da República , a 4 de Julho de 2017, na qual se falou sobre o furto dos paióis de Tancos.

A Renascença apurou que, ouvido como testemunha de Azeredo Lopes, Pina Monteiro confirmou, depois de questionado pelo advogado do ex-ministro da Defesa, o encontro em que o ex-director da Policia Judiciária Militar (PJM), Luís Vieira, referiu preocupação com o facto da Polícia Judiciária civil ter tido conhecimento de que ia haver o roubo e não ter informado as Forças Armadas, impedindo qualquer possibildiade de evitar o assalto.

De acordo com Pina Monteiro, estas palavras não tiveram resposta, nem de Marcelo Rebelo de Sousa, que “não se pronunciou”, nem de outras pessoas presentes, como foi o caso do então ministro Azeredo Lopes e do seu chefe de gabinete.

Antes de Pina Monteiro, o juiz Carlos Alexandre ouviu o almirante Silva Ribeiro, actual CEMGFA, que segundo a Renascença sabe, apenas referiu que o furto do material foi um episodio triste, mas que não trouxe problemas ao Estado português.

Já Almeida Sampaio, na altura dos aquecimentos embaixador junto da NATO e outra das testemunhas arroladas pela defesa de Azeredo Lopes, disse em tribunal que, da parte da NATO, não houve preocupação com o furto de Tancos - o caso não teve repercussão.

À saída do tribunal, o advogado de Azeredo Lopes, Germano Marques da Silva, disse aos jornalistas que as testemunhas “só falaram do que sabiam e que responderam apenas sobre factos relacionados com o furto”.

Já sobre a operação da PJM para recuperar o material, o advogado garante que “nada foi perguntado sobre o assunto porque as testemunhas nada sabiam”.

Questionado sobre as razões para a escolhas destas testemunhas, Germano Marques da Silva referiu que “na altura dos acontecimentos, ocupavam funções oficiais e era preciso saber o que sabiam ou não sabiam e o que é o ministro sabia ou não sabia”.

[notícia atualizada às 21h40]

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Lv
    27 jan, 2020 Lx 21:52
    Será que o super-coiso vai arranjar 100 perguntas para o Celito, CMDT supremo das FA,? Presencialmente de preferência!