Tempo
|
A+ / A-

Catarina Martins critica que se vá atrás de Rui Pinto com tanta força sem investigar fugas

26 jan, 2020 - 11:33

Para a coordenadora do Bloco "a justiça tem de investigar as informações que tem, todas elas".

A+ / A-

A coordenadora do BE considera incompreensível que a justiça "vá atrás" de Rui Pinto "com tanta força" sem investigar os "crimes que as fugas parecem indicar", criticando que exista quase "uma exceção de Estado de direito no futebol português".

Em entrevista ao Porto Canal, que será transmitida este domingo, a líder bloquista, Catarina Martins, foi questionada sobre o caso de Rui Pinto, criador do Football Leaks, tendo considerando que "há três questões diferentes que é bom ponderar".

"Em primeiro lugar, as responsabilidades que Rui Pinto tenha tido devem ter o seu julgamento próprio, como é óbvio. Nós já tivemos denunciantes no passado que fizeram grandes fugas de informação de uma forma altruísta pelo interesse público e há outros casos em que há crime por trás e, portanto, não há esse altruísmo. O Ministério Público português tem de fazer esse trabalho", defendeu.

Outro problema, na ótica de Catarina Martins "é saber o que é que se faz com a informação vinda deste processo", defendendo que as fugas, "não sendo provas legítimas e não sendo fruto de uma investigação judicial", a justiça "tem de investigar e tem de perceber o que lá está".

"É muito difícil compreender que se vá atrás do denunciante com tanta força" e não se faça a investigação, criticou Catarina Martins.

Para a coordenadora do BE "essa é a parte inaceitável", ou seja, "a justiça tem de investigar as informações que tem, todas elas".

"Há depois um terceiro aspeto que inquina normalmente este debate chamado 'futebol leaks' e aqui inquina neste debate por duas razões: primeiro porque há paixões futebolísticas e as pessoas acham que têm de estar de acordo ou contra de acordo com o seu clube de futebol", apontou.

Catarina Martins assume que não tem clube de futebol, mas dá o exemplo da eurodeputada bloquista Marisa Matias "que é do Benfica e disse sempre que tem de ser investigado o que diz o Rui Pinto".

"Há aqui um problema que é que existe quase uma exceção de Estado de Direito no futebol português em todos os clubes que não pode mais existir. Não só sobre crimes que tem a ver com crime económico, com questões de violência", condenou.

Para a dirigente bloquista "isso é um problema grave que Portugal tem".

"Acho que a Justiça tem muita dificuldade em agir no que diz respeito ao futebol e isso é um problema não pode haver exceções ao Estado de direito", disse.

O Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa decidiu, em 17 de janeiro, levar a julgamento Rui Pinto, criador do Football Leaks, por 90 crimes de acesso ilegítimo, acesso indevido, violação de correspondência, sabotagem informática e tentativa de extorsão, deixando cair 57 crimes. (Passa do total de 93 para 90 crimes, e de 54 para 57 crimes).

Em setembro de 2019, o Ministério Público (MP) acusou Rui Pinto de 147 crimes, 75 dos quais de acesso ilegítimo, 70 de violação de correspondência, um de sabotagem informática e um de tentativa de extorsão, por aceder aos sistemas informáticos do Sporting, da Doyen, da sociedade de advogados PLMJ, da Federação Portuguesa de Futebol, da Procuradoria-Geral da República (PGR) e da Plataforma Score e posterior divulgação de dezenas de documentos confidenciais destas entidades.

Na leitura da decisão instrutória, a juíza de instrução criminal (JIC) Cláudia Pina pronunciou (levou a julgamento) Rui Pinto por 68 crimes de acesso indevido, por 14 crimes de violação de correspondência, por seis crimes de acesso ilegítimo e ainda por sabotagem informática à SAD do Sporting e extorsão, na forma tentada, este último, crime pelo qual o advogado Aníbal Pinto também foi pronunciado. (Passa de 17 para 14 crimes de violação de correspondência).

A instrução, fase facultativa que visa decidir se o processo segue e em que moldes para julgamento, foi requerida pela defesa dos dois arguidos no processo: Rui Pinto e o seu advogado, à data dos factos, Aníbal Pinto, acusado de intermediar a tentativa de extorsão, de entre 500.000 euros a um milhão de euros, ao fundo de investimento Doyen.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • manuel ferraz
    26 jan, 2020 16:41
    A Catarina Martins quando é para criticar a polícia põe -se logo em bicos de pés como sendo a rainha daa festa. E agora com aquilo que fizeram ao motorista da viimeca esta calada. Porquê não interessa? Estes irresponsáveis ,estes sem lei que fizeram isso a esse homem para o bloco está tudo bem. Que miséria de deputados que se cocam ao lado destes que querem o país sem lei.
  • Cidadao
    26 jan, 2020 Lisboa 12:40
    Não lances cortinas de fumo Catarina. Queremos saber porque é que tu e o teu partido foram tão rápidos a associarem-se à condenação da atitude da polícia no caso da Claudia "viagem à borla" Simões, e agora não têm uma palavra acerca do motorista espancado em retaliação e que está no Hospital. Como é, oh grande democrata da justiça para todos?