RR
|
A+ / A-

Até as mais pequenas comunidades cristãs têm algo para nos ensinar, diz o Papa

25 jan, 2020 - 17:15 • Filipe d'Avillez

No fecho do oitavário de oração pela unidade dos cristãos, Francisco recorda que a prioridade de Deus é a salvação de todos, e que os cristãos devem ter isso como meta.

A+ / A-

Até as mais pequenas e duramente perseguidas comunidades cristãs têm algo a ensinar aos restantes, disse este sábado o Papa Francisco.

O Papa discursou no final de um encontro ecuménico, com o qual se assinalou o fecho do oitavário da oração pela unidade dos cristãos, em Roma, com a presença de líderes de outras comunidades cristãs na cidade.

Partindo da história do naufrágio de São Paulo, que serviu de mote para o oitavário deste ano, Francisco recordou como o apóstolo, que viajava como prisioneiro, conseguiu encorajar os restantes marinheiros, incluindo os soldados a bordo do navio, garantindo que todos se iriam salvar.

É a prova, disse Francisco, de que até os mais pequenos e fracos têm algo a ensinar aos demais. “Pensemos nas comunidades cristãs. Até as mais pequenas e menos significantes, aos olhos do mundo, se fizerem a experiência do Espírito Santo e se forem animados pelo amor por Deus e pelo próximo, têm uma mensagem a oferecer a toda a família cristã”.

“Tal como no relato do naufrágio de São Paulo, muitas vezes são os mais fracos que trazem a mais importante mensagem de salvação. Foi isto que agradou a Deus: salvar-nos, não com o poder do mundo, mas com a fraqueza da cruz.”

Para o Papa Francisco, os discípulos de Cristo devem ter cuidado para não serem atraídos pela lógica do mundo, mas antes escutar os pequenos e os fracos, “porque Deus envia as suas mensagens através daqueles que mais se assemelham ao seu Filho feito homem”.

Outro aspeto que o relato dos Evangelhos ensina ao movimento ecuménico é que “a prioridade de Deus é a salvação de todos”.

“É um convite a não nos dedicarmos em exclusivo às nossas próprias comunidades, mas a abrir-nos ao bem comum, ao olhar universal de Deus que encarnou para poder abraçar toda a raça humana e que morreu e ressuscitou para a salvação de todos. Se nós, com a sua graça, conseguirmos assimilar a sua forma de ver as coisas, podemos ultrapassar as nossas divisões”, afirmou Francisco.

“Também entre os cristãos cada comunidade tem algo a dar aos outros. Quanto mais olharmos para além dos nossos interesses sectários e ultrapassarmos os legados do passado, no desejo de caminhar em frente rumo a um porto comum, mais rapidamente reconheceremos, acolheremos e partilharemos estes dons”, concluiu.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.