|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Forças de segurança atacam manifestantes anti-Governo no Iraque, matando quatro

25 jan, 2020 - 12:12 • Filipe d'Avillez

A ação surgiu meras horas depois de um dos principais líderes xiitas do país ter retirado o seu apoio aos manifestantes.

A+ / A-

As forças de segurança do Iraque obrigaram este sábado milhares de manifestantes anti-Governo a dispersar dos locais onde decorrem protestos há meses, em várias cidades iraquianas, incluindo em Bagdad.

Os agentes tomaram de assalto locais como a Praça Tahrir, em Bagdad, disparando munições reais e gás lacrimogéneo, e entraram em confronto com os manifestantes que estão a pedir a substituição de toda a elite política desde finais de outubro.

Cerca das 15h deste sábado havia indicação de quatro vítimas mortais e dezenas de feridos devido à intervenção.

A ação policial surgiu meras horas depois de Moqtada al-Sadr, o principal líder xiita do país, ter retirado o seu apoio às manifestações, levando milhares dos seus seguidores, muitos dos quais vivem nos bairros mais pobres de Bagdad, a abandonar as concentrações.

Os manifestantes ainda tentaram dissuadir al-Sadr, temendo precisamente uma intervenção policial mais musculada caso perdessem os sadristas, mas de nada valeu.

As manifestações contra o Governo tinham sido vistas como uma das poucas ocasiões em que iraquianos de todas as fações religiosas do país se juntaram para exigir um Governo independente de influências externas, nomeadamente do Irão, melhores condições sociais e oportunidades de emprego.

A recente crise no país, espoletada pelo assassinato de Qassem Soleimani, pelas forças armadas americanas, levou a uma união das forças xiitas no país, em detrimento das manifestações contra o Governo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.