|
A+ / A-

"Dinheiro roubado". Bloco quer Isabel dos Santos impedida de vender participações

24 jan, 2020 - 17:25 • Lusa

Na perspetiva de Catarina Martins, "Isabel dos Santos está a vender o que não é dela, porque essas participações nas empresas foram compradas com o dinheiro do povo angolano".

A+ / A-

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) defendeu, esta sexta-feira, que não devia ser permitido a Isabel dos Santos vender a participação nas empresas portuguesas levando assim "o dinheiro roubado ao povo angolano" para um ‘offshore’, instando o Governo a dialogar com Angola.

"Sem prejuízo da justiça fazer o seu caminho - tanto sobre Isabel dos Santos como outros elementos da cleptocracia angolana que têm os seus interesses em Portugal, mas também sobre os portugueses que foram cúmplices com estes roubos ao longo dos anos e com esta lavagem de dinheiro - o Governo português não pode desinteressar-se do futuro de empresas que são estratégicas para Portugal", defendeu a líder bloquista, Catarina Martins, aos jornalistas, em Lisboa.

Para Catarina Martins, é claro que a empresária angolana "não pode ter nem mais uma palavra em nenhuma destas empresas" como é a Efacec, a Nos ou o Eurobic.

"A justiça deve atuar, os reguladores também devem atuar e não devia ser permitido a Isabel dos Santos vender a sua participação e com isso consumar este assalto ao povo angolano, levando o dinheiro destas participações que ela comprou com o dinheiro roubado ao povo angolano para um qualquer ‘offshore’", alertou.

Na perspetiva de Catarina Martins, "Isabel dos Santos está a vender o que não é dela, porque essas participações nas empresas foram compradas com o dinheiro do povo angolano".

"E se ela pode vender livremente as suas participações nas empresas, depois pode pôr o seu dinheiro na Rússia, no Dubai ou num qualquer ‘offshore’ e consumar o assalto, e Portugal está a ser cúmplice dessa consumação do assalto", condenou.

Assim, para a coordenadora do BE, "isso não deve acontecer" e "é preciso que a justiça portuguesa atue para travar a continuação deste roubo ao povo angolano".

"E é preciso também que o Governo português inicie um diálogo com o Governo angolano sobre o futuro destas empresas, porque são empresas importantes para o nosso país", apelou.

Para Catarina Martins, "se foi até agora absolutamente irresponsável fechar os olhos à cleptocracia angolana, seria agora também irresponsável fechar os olhos às responsabilidades que há em empresas portuguesas para as quais é preciso ter uma estratégia".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.