RR
|
A+ / A-

CDS

Carlos Meira disponível para acordo que vença João Almeida

24 jan, 2020 - 20:02 • Lusa

Natural de Viana do Castelo e militante do CDS-PP desde os 19 anos, Carlos Meira defende que a sua candidatura é a "única fora do círculo de Lisboa que quer lutar contra o sistema e a elite do partido".

A+ / A-

Carlos Meira, militante de Viana do Castelo e candidato à liderança do CDS-PP, manifestou-se disponível para, durante o 28º congresso nacional, chegar a acordo com Filipe Lobo d'Ávila e Francisco Rodrigues dos Santos para ganhar a João Almeida.

"Posso confirmar que almoçamos, em Viana do Castelo, com o Francisco Rodrigues dos Santos e o Filipe Lobo d'Ávila. Fiz uma tentativa de nos unirmos os três para ganharmos ao João Almeida. Posso confirmar que poderemos, no congresso, tentar essa união para conseguirmos ganhar e lutarmos contra o sistema", afirmou o empresário dos setores florestal e construção civil de 34 anos.

Em entrevista, Carlos Meira, natural de Viana do Castelo e militante do CDS-PP desde os 19 anos, defendeu que a sua candidatura é a "única fora do círculo de Lisboa que quer lutar contra o sistema e a elite do partido". "O partido não é só para servir Lisboa e o centralismo de Lisboa", atirou.

Carlos Meira disse ser "um crítico" da candidatura de João Almeida por ser "de continuidade". "Fez parte da direção de Assunção Cristas e, imagine-se, foi seu porta-voz. É a renovação na continuidade. Não vai dar certo", sustentou o empresário.

Questionado sobre como financiará a sua campanha à liderança do partido, Carlos Meira assegurou que está a ser suportada com "meios próprios". "Vivo do meu trabalho e, por isso, é tudo pago com o meu ordenado. Não tenho apoios financeiros", disse, adiantando que "só em viagens a Lisboa" já gastou "400 euros".

O ex-presidente da concelhia do CDS-PP de Viana do Castelo defendeu que para "reerguer e reestruturar" o partido é necessário, "em primeiro lugar", realizar uma "auditoria externa". "É um ponto fulcral. Saber como foi feita a sede do Porto e quem andou a receber avenças dentro do partido. Só depois podemos reestruturar o partido e que podemos pensar no futuro", sustentou.

Meira apontou o "deslumbramento" com os resultados na Câmara Municipal de Lisboa, nas últimas eleições autárquicas, como um dos "principais erros" da anterior liderança do CDS. "Assunção Cristas esqueceu-se completamente das bases do partido. Entrou no partido a mando de Paulo Portas e que não tinha conhecimento de como funcionava o partido. Esqueceu-se completamente das concelhias, das distritais e com deslumbramento de Lisboa perdeu-se completamente do que deveria ser a governação e a gestão do próprio partido. Julgava que isto era uma gestão à moda da Revista Caras ou da VIP", referiu.

Carlos Meira, que nas eleições autárquicas de 2013 foi candidato à câmara da capital do Alto Minho, admitiu que "muitos não apreciam o estilo e linguagem" que utiliza, mas defendeu que, "por vezes, é a única forma de conseguir transmitir a mensagem". "As críticas que faço são naturalmente políticas e nunca pessoais e não é com base em pressões, ameaças, que irei alterar a minha forma de intervir. Gostava inclusivamente que surgissem outros Carlos Meira noutras forças políticas", desafiou.

Questionado sobre se com o aparecimento do Chega o CDS poderá radicalizar o seu discurso ou se poderá enveredar por eventual entendimento num cenário de maioria parlamentar ou de um Governo de centro-direita, o candidato defendeu que o partido "deve fazer um caminho próprio, procurando como reafirmar a sua matriz e identidade". "O CDS deve fazer o seu próprio caminho, de forma autónoma, ativa, serena, recompondo-se e reerguendo-se. Respeitamos igualmente todos os partidos do arco parlamentar e não parlamentar não socialistas. O CDS não deve ter cordões sanitários com partidos não socialistas, mas também não deixará de se bater pelas suas causas. Tudo tem o seu tempo, tudo se verá a seu tempo. O CDS agora precisa é de olhar por si e para si. O nosso vizinho não é preocupação nossa", observou.

Já sobre um eventual apoio à recandidatura de Marcelo Rebelo de Sousa às eleições presidenciais, Carlos Meira disse que o atual chefe de Estado "inovou e instaurou uma presidência inédita em Portugal", num "registo que não agrada a gregos e a troianos" e defendeu que o CDS deve assumir um "papel e uma posição de responsabilidade". "O CDS deve apoiar a candidatura que, no espaço à direita do PS, se venha a apresentar em melhores condições de vencer. É fundamental a eleição de um Presidente da República onde o centro, o centro-direita e a direita democrática se possam rever, mormente num momento em que a esquerda está a governar", referiu.

Além de Carlos Meira são candidatos à liderança do CDS-PP Abel Matos Santos, João Almeida, Filipe Lobo d'Ávila e Francisco Rodrigues dos Santos. O 28.º congresso nacional do CDS-PP, marcado para 25 e 26 de janeiro em Aveiro, vai eleger o sucessor de Assunção Cristas na liderança dos centristas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.