|
A+ / A-

Parkinson. Hospital de São João lança dispositivo inovador

21 jan, 2020 - 10:23 • Lusa

“BrainSense” é o nome do neuro estimulador que abre uma janela de esperança no tratamento, não da doença, mas do doente. Hospital de S. João é o primeiro da Península Ibérica a implantar o dispositivo.

A+ / A-

O Centro Hospitalar Universitário de São João (CHUSJ) implantou um dispositivo médico "inovador" que, ao registar informação sobre os dados cerebrais de cada doente com Parkinson, "abre a possibilidade de o tratamento ser mais adaptado" ao seu estado clínico.

"A ideia base é ver se somos capazes de evoluir do tratamento da doença para o tratamento do doente", afirmou Rui Vaz, diretor do serviço de Neurocirurgia do CHUSJ e responsável pela equipa que fez, nesta terça-feira de manhã, o implante do dispositivo médico "inovador".

Segundo o neurocirurgião, este dispositivo, intitulado “BrainSense”, além de ser capaz de "estimular o cérebro, permite também captar informação sobre as ondas cerebrais [ondas beta] que estão relacionadas com os sintomas de Parkinson".

"O tratamento atual é praticamente constante ao longo de todo o dia, quando a doença em si, oscila ao longo do dia. Portanto, este será o primeiro passo para, através dos registos obtidos, adaptarmos o tratamento ao estado clínico do doente durante o dia, com menos tratamento nas fases em que se encontra bem e mais tratamento nas fases em que se encontra mal", explicou à agência Lusa.

Segundo Rui Vaz, o estimulador, que foi implantado esta manhã numa mulher com Parkinson, "não difere em nada para o doente", sendo que é até "mais pequeno" do que o dispositivo usualmente utilizado.

"O tamanho da bateria é ligeiramente menor, mas para o doente é tudo igual", garantiu, adiantando, contudo, que a tecnologia é "15% mais cara do que a bateria normal".

"O dispositivo custa 15% mais do que a bateria normal, mas esperamos nós que estes 15% sejam compensados, uma vez que, ao adaptar-se à doença, a bateria dura também mais tempo", sublinhou.

O neurocirurgião adiantou ainda que, neste momento, o neuro estimulador é apenas aplicável a doentes parkinsonianos com síndrome acinética-rígido, isto é, com os movimentos limitados.

"Vamos, prudentemente, ver os resultados que conseguimos. Há uma base científica suficientemente forte, mas a experiência clínica séria está agora a iniciar-se e, enquanto não houver mais evidência sobre as formas tremóricas [síndrome do Parkinson], não o colocaremos", concluiu.

O Centro Hospitalar Universitário de São João foi o terceiro hospital, a nível mundial, a implantar este dispositivo médico, sendo que, até ao momento, apenas dois hospitais alemães também o fizeram. Ao nível da Península Ibérica, é o primeiro.

A doença de Parkinson é a segunda doença neurodegenerativa mais comum depois da doença de Alzheimer e afeta cerca de 20 mil portugueses.

A sintomatologia é muito alargada e varia muito entre os doentes. No entanto, os sintomas mais comuns são lentidão de movimentos, rigidez muscular, tremor e alterações da postura.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.