RR
|
A+ / A-

Movimento Zero cancela protestos em aeroportos e resolve entrar em "reflexão"

24 jan, 2020 - 22:47 • Redação com Lusa

Movimento formado por elementos da PSP e da GNR denuncia "uma grande lacuna no corporativismo saudável”.

A+ / A-

O Movimento Zero, formado por elementos policiais da PSP e da GNR, cancelou as ações de protesto nos aeroportos nacionais e encerrou temporariamente o site para um período de reflexão, indica um comunicado.

“O Movimento Zero dá por terminada a vigília nos aeroportos nacionais. Ficou demonstrado neste protesto que há homens e mulheres de grande fibra nas instituições PSP e GNR, mas há também uma grande lacuna no corporativismo saudável”, lê-se na nota colocada na página oficial do movimento inorgânico de apoio às profissionais das forças de segurança.

Na segunda-feira, o Movimento Zero (M0) concentrou cerca de 100 manifestantes junto ao Aeroporto de Lisboa, num protesto silencioso, enquanto no Porto, em Faro e no Funchal, a vigília teve menos adesão.

O Movimento Zero, um movimento social inorgânico criado em maio de 2019 e que na manifestação das forças policiais realizada em novembro do ano passado foi bastante visível, alega ainda que “a sociedade portuguesa está também pouco recetiva a uma cidadania ativa” e não esconde que “o sentimento é de que afinal os polícias estão bem, e os poucos que lutam é que estão mal”.

Assim, as comunicações entre os elementos do movimento ficam encerradas até 1 de fevereiro, sendo o período “usado para ponderação e reflexão individual”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.