RR
|
A+ / A-

Luanda Leaks. Procurador de Angola acredita que o dinheiro usado por Isabel dos Santos em Portugal é ilícito

24 jan, 2020 - 15:44

Heldér Pitta Grós veio a Portugal pedir ajuda para o cumprimento de cartas rogatórias a arguidos portugueses.

A+ / A-

O procurador-geral de Angola, Hélder Pitta Grós, admite que a proveniência do dinheiro investido por Isabel dos Santos em Portugal é ilícita.

Em declarações feitas à RTP o procurador-geral explica que esse facto implica que as autoridades dos dois países têm uma “questão comum”.

“Angola, pelo menos, pensa que o dinheiro que foi utilizado para alguns negócios aqui de IS tenha uma proveniência ilícita, portanto foram retirados de Angola de forma ilícita, e usados em Portugal, portanto aí já há uma questão que é comum”

Em Portugal Hélder Pitta Grós reuniu com Lucília Gago, a quem pediu ajuda com as cartas rogatórias para os arguidos portugueses.

“Houve a constituição de arguidos, alguns são portugueses com residência permanente em Portugal. É necessário que sejam notificados como arguidos, para a partir daí poderem ser interrogados. Pedimos ajuda a Portugal que cumprisse essas cartas rogatórias com a maior brevidade possível”, disse.

Isabel dos Santos foi constituída arguida, em Angola, na sequência das revelações do “Luanda Leaks”. Neste momento, é suspeita de má gestão e desvio de fundos enquanto liderou a petrolífera estatal angolana Sonangol.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.