Tempo
|
A+ / A-

​Jovem aliciava menores para pornografia através de videojogos

23 jan, 2020 - 11:25 • Liliana Monteiro

Suspeito de 19 anos tinha milhares de ficheiros multimédia - imagem e vídeo - de crianças em práticas sexuais explícitas.

A+ / A-

Um jovem de 19 anos foi detido pela Polícia Judiciária por suspeita de crimes de abuso sexual de crianças e de pornografia de menores agravado. A operação decorreu numa freguesia do concelho de Salvaterra de Magos.

O suspeito, que cativava os menores com quem jogava videojogos na Internet, tinha milhares de ficheiros multimédia - imagem e vídeo - de crianças em práticas sexuais explícitas.

Segundo a Judiciária, interagia com os menores através de contactos via WathsApp e das redes sociais Facebook e Instagram, criando uma relação de proximidade. Depois instava os menores a filmarem-se com o telemóvel, partilhando os vídeos com outros internautas.

Para apagar o rasto digital da atividade criminosa, o jovem criava e enviava instruções aos menores, ensinando-lhes a apagar quer a gravação dos vídeos que lhe enviavam, quer os registos digitais gerados pelas comunicações entre ele e as vítimas.

Durante a busca domiciliária foram apreendidos telemóveis e diverso material informático, designadamente computadores e discos de armazenamento externo.

O detido foi presente às autoridades competentes para interrogatório judicial, tendo-lhe sido aplicadas as medidas de coação de apresentações diárias no posto policial da área de residência, proibição de usar equipamentos informáticos com acesso à Internet e obrigação de se sujeitar a tratamento psiquiátrico, em instituição adequada.

Em comunicado enviado às redações, a Judiciária diz que a investigação vai prosseguir para tentar identificar o maior número possível de vítimas, a partir da análise da imensidão de dados apreendidos e da realização de perícias forenses de informática.



Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+