|
A+ / A-

António Costa e o Luanda Leaks: “Não houve tratamento especial"

22 jan, 2020 - 17:54 • Redação com Lusa

Nas primeiras declarações sobre o escândalo do momento, o primeiro-ministro garantiu que Portugal "vai colaborar totalmente com as autoridades angolanas".

A+ / A-

O primeiro-ministro, António Costa, disse, esta quarta-feira, que “não houve tratamento especial, nem de favor nem de desfavor”, a Isabel dos Santos, quando a empresária angolana quis investir no país.

Costa, que falava à margem da inauguração das novas instalações da Hovione, em Loures, garantiu que Portugal "vai colaborar totalmente com as autoridades angolanas".

"Espero que este caso permita à justiça angolana tratar o que tem a tratar e que as empresas portuguesas continuem a desenvolver a sua atividade dentro da maior estabilidade possível para a economia portuguesa”, acrescentou o primeiro-ministro.

“O Estado português tem de colaborar com os outros estados nas investigações criminais”, reforçou António Costa, lembrando que o Governo deve “tratar todos os que querem investir em Portugal por igual”.

Interrogado sobre a situação em que poderão ficar grandes empresas portuguesas em que a empresária Isabel dos Santos detém participações relevantes, António Costa procurou então traçar uma linha de demarcação entre a questão da acionista e continuação da atividade dessas mesmas empresas.

"Não conheço em pormenor os casos judiciais, mas a investigação tem sido sobre uma acionista e não sobre as empresas. Portanto, as medidas que sejam adotadas em relação à acionista não afetarão necessariamente as empresas. As empresas têm uma distinção entre aquilo que são os seus capitais, os seus recursos, e aquilo que é o capital e os recursos dos seus acionistas", alegou.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.