Tempo
|
A+ / A-

Manifestação

Fecho da urgência pediátrica do Garcia de Orta. "Há pais sem dinheiro para ir com os filhos para Lisboa"

22 jan, 2020 - 14:28 • Liliana Monteiro

Presidente da Câmara do Seixal diz que há falta de vontade política para resolver o encerramento da urgência pediátrica do hospital Garcia de Orta. Paulo Pinto, enfermeiro da urgência de pediatria há 16 anos, diz que não há médicos, mas os enfermeiros também não são suficientes.

A+ / A-

Mais de meia centena de pessoas manifestou-se, esta quarta-feira de manhã, em frente ao Ministério da Saúde na esperança de que a ministra Marta Temido resolva, "o mais breve possível", o problema do encerramento da urgência pediátrica desde novembro do ano passado.

José Lourenço, da comissão de utentes do Seixal, diz que Lisboa não é alternativa. “O Garcia de Orta serve 450 mil pessoas, não é um hospitalzinho de campanha. São cerca de 150 mil potenciais utilizadores da urgência pediátrica”, sublinha, acrescentando: “Saíram 13 pediatras no último ano e meio e não são sete que vão resolver o problema, porque existem carências muito grandes”.

Os utentes alertam para o facto da ponte 25 de Abril ser um entrave em caso de emergência. José Lourenço lembra que “se houver uma batida, a ponte bloqueia; se houver ventos fortes, a ponte bloqueia”. E questiona: “Como se resolve uma situação de emergência em que a ambulância não consegue sair dali? A criança arrisca-se a morrer ali”.

Luísa Ramos, da Comissão de Utentes de Almada, afirma que “a ministra [Marta Temido] diz ‘talvez em março’ e o presidente do Garcia de Orta diz que não é realista abrir a urgência nessa data”. “Como os utentes estão cansados do diz-que-diz, viemos aqui dizer que continuamos a exigir a reabertura da urgência pediátrica – porque as crianças da margem sul não podem ficar privadas deste serviço”, explica.

Também o presidente da Câmara do Seixal, Joaquim Santos, se juntou a este protesto. “Já em junho a Câmara tinha falado com o secretário de Estado da Saúde de então a alertar para constrangimentos graves do serviço de urgência pediátrica”, lembrou.

Joaquim Santos garantiu mesmo que acredita que “há falta de vontade política”. “Nas autarquias conseguimos encontrar soluções para ultrapassar dificuldades. Não se percebe como é que uma ministra de Estado, no século XXI, não tem condições para reabrir uma urgência pediátrica onde faltam cinco médicos”, conclui.

Junto dos manifestantes encontrava-se também o enfermeiro Paulo Pinto, que trabalha na urgência pediátrica do hospital há 16 anos. Visivelmente consternado, o enfermeiro confessou que “é duro ver crianças a ir para Lisboa, ser observadas no hospital D. Estefânia e no hospital de Santa Maria, terem de ser internadas e, depois, regressarem ao nosso serviço em Almada, onde ficam no SO”.

“Ora, essas crianças andam toda a noite às voltas”, disse Paulo Pinto, explicando que alguns pais “não têm dinheiro para ir com as crianças para Lisboa”. E garante: “Há pais que aguardam toda a noite com uma criança com dificuldade respiratória e só de manhã vão ao nosso serviço com as crianças já muito descompensadas”.

Questionado sobre se os enfermeiros no serviço de urgência do Garcia de Orta são suficientes, tendo em conta que se fala apenas na carência de médicos, Paulo Pinto explicou que o serviço de urgência pediátrica “funciona muito graças ao trabalho extraordinário dos enfermeiros”. Este profissional diz mesmo que “se a urgência pediátrica estivesse a funcionar em condições normais, tínhamos de fazer dois a três turnos extraordinários por mês para a mantermos aberta”.

Os manifestantes foram recebidos pela secretaria geral do Ministério da Saúde, a quem entregaram um memorando a pedir urgência na resolução deste problema.

Contactado pela Renascença, o Ministério de Marta Temido explicou que autarcas e comissões de utentes têm sido mantidos a par de todas as questões relacionadas com a urgência pediátrica do hospital e que, até ao final de janeiro, será feito novo ponto de situação sobre o processo junto de todos estes intervenientes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Americo Anastacio
    22 jan, 2020 Leiria 17:47
    Querem a "geringoça" ? Os resultados vão aparecendo............

Destaques V+