|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Aeroporto do Montijo. Associação Zero diz que estudo da APA tem omissões graves

22 jan, 2020 - 10:52 • André Rodrigues , Anabela Góis , Cristina Nascimento

Agência Portuguesa do Ambiente confirmou a viabilidade do Aeroporto do Montijo. O Governo já se congratulou com a emissão da Declaração de Impacte Ambiental.

A+ / A-

As organizações de defesa do ambiente Almargem, ANP/WWF, A Rocha, GEOTA, LPN, FAPAS, SPEA e ZERO adiantam que vão recorrer aos tribunais e à Comissão Europeia para travar a construção do Aeroporto do Montijo, alegando que o projeto vai "contra as leis nacionais, as diretivas europeias e tratados internacionais".

Em declarações à Renascença, Francisco Ferreira, presidente da ZERO, considera que o estudo da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), que deu “luz verde” à construção do aeroporto do Montijo, não prevê medidas suficientes para acautelar as questões ambientais e deixou muitas questões por responder.

“Fica por responder a interação com aeroporto Humberto Delgado, acaba por não se responder a muitas questões relacionadas com aquela localização, encostada à Rede Natura, e ficou por justificar a necessidade de um aumento de transporte aéreo que não é consonante com as políticas climáticas e o esforço que Portugal deveria fazer relativamente às emissões dos aviões”, justifica.

O estudo da APA exige medidas à ANA-aeroportos no valor de 48 milhões de euros, em especial para mitigar o ruído, proteger as aves e garantir novas acessibilidades ao Montijo.

Já o presidente da Câmara do Barreiro mostra-se satisfeito com o documento. Frederico Rosa diz que o estudo da APA sustenta a visão da autarquia sobre o impacto que a infraestrutura deve ter em toda a zona.

“Esta oportunidade de investimento no aeroporto não pode ser vista apenas naquela zona, tem que ser visto de forma a que possa alastrar a todos estes territórios ribeirinhos”, refere.

O relatório da APA obriga à criação de acessibilidades entre Montijo e Barreiro, mas também entre o Barreiro e o Seixal, o que acaba por beneficiar toda a zona da antiga CUF. A zona pode vir a ser um pólo de criação de emprego.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.