RR
|
A+ / A-

José Eduardo Agualusa espera que "quem permitiu a ascensão de Isabel dos Santos em Portugal" também responda perante a Justiça

21 jan, 2020 - 16:36 • Henrique Cunha

Em declarações à Renascença, a partir de Luanda, o escritor alude à existência de "cúmplices da empresária" em Portugal que não podem alegar ignorância. Para o escritor angolano, o único dado surpreendente nos últimos dias "é a surpresa das pessoas".

A+ / A-

O escritor Angolano José Eduardo Agualusa espera que "as pessoas que permitiram a ascensão de Isabel dos Santos em Portugal" também respondam perante a justiça.

Em declarações à Renascença, a partir de Luanda, o escritor alude à existência de "cúmplices da empresária" em Portugal que não podem alegar ignorância, face aos múltiplos alertas de várias personalidades angolanas. Agualusa diz que ele próprio, Rafael Marques e outras pessoas "andaram anos a escrever sobre o caso", pelo que "essas pessoas devem ser apresentadas à Justiça".

José Eduardo Agualusa não ficou surpreendido com a divulgação do caso "Luanda Leaks" e com o envolvimento da empresária Isabel dos Santos porque "muitas das revelações agora feitas já eram do conhecimento público". Para Agualusa, o único dado surpreendente nos últimos dias "é a surpresa das pessoas".

Agualusa acredita que a divulgação deste caso ajude a combater a corrupção e a pôr fim ao sentimento de impunidade sentido pelas altas esferas da sociedade angolana: “A boa notícia, neste processo, é que isto ajuda a combater a corrupção, até porque outras pessoas, a partir de agora, pensarão duas vezes antes de se meterem em processos de corrupção."

"Se uma pessoa como Isabel dos Santos, muito poderosa e com um império construído em diversos países, pode ser afetada desta maneira e pode arriscar-se a perder tudo o que tinha, depois destas revelações”, isso também pode “acontecer a qualquer um”, acresenta.

"Do ponto de vista profilático, isto é muito bom. Pode ajudar a criar uma outra sociedade, um outro pensamento", reforça Agualusa, destacando que “há a possibilidade de uma revolução de mentalidades a partir deste episódio”, porque “as lições a tirar dele são muitas".

"Euforia tensa" em Luanda

No rescaldo das revelações, o escritor deteta em Luanda uma atmosfera que caracteriza como de "euforia um pouco tensa", tanto mais que o caso, no plano dos envolvimentos, não se limita a Isabel dos Santos. "Outras pessoas podem estar implicadas neste caso”, argumenta, admitindo que haja em Angola "muita gente apreensiva", tal como "haverá também em Portugal".

A Isabel dos Santos, o escritor aconselha que regresse a Angola para responder perante a Justiça. Agualusa acredita que a empresária "corre o risco de ser presa em vários países europeus, pelo que seria melhor em vir para Angola, apresentar-se à Justiça e tentar negociar uma acusação".

Sobre o regime e ação política de João Lourenço, o escritor diz que "houve uma certa abertura democrática", mas há muito por fazer "no âmbito da justiça social".

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José J Cruz Pinto
    22 jan, 2020 ILHAVO 07:28
    Absolutamente - deviam e TÊM DE PAGAR, sejam quem forem, não tenham ou tenham já sido publicamente louvados ou, quem sabe, condecorados!