Tempo
|
A+ / A-

Industriais da madeira e mobiliário "chocados" com hipótese de "taxa das celuloses"

22 jan, 2020 - 18:33 • Henrique Cunha

O presidente da Associação das Industrias da Madeira e Mobiliário diz que a designação "taxa das celuloses" não passa de uma acção de marketing por "parecer que o povo aceitaria melhor essa taxa apresentada desta forma".

A+ / A-

A Associação das Industrias da Madeira e Mobiliário (AIMMP) mostra-se "chocada" com a possibilidade do Governo decidir avançar com a "taxa das celuloses".

O presidente da AIMMP, Vitor Poças, diz à Renascença "não conseguir compreender como é que um Governo se permite taxar uma indústria que é das mais exportadores em Portugal, e com maior valor acrescentado nacional, prejudicando a sua competitividade nos mercados internacionais".

"Uma pequena serração também irá pagar", aponta o dirigente, acrescentando que "o sector vive em concorrência perfeita no mercado internacional, onde um cêntimo no preço de uma palete pode ser decisivo para o negócio".

Vítor Poças sublinha que uma medida deste tipo envolve todas as industrias de base florestal e que a designação "taxa das celuloses" não passa de uma acção de marketing por "parecer que o povo aceitaria melhor essa taxa apresentada desta forma".

"Não faltam regras para cobrar" taxas e impostos, mas "não há regras para aplicar" o dinheiro que o estado arrecada, lamenta o dirigente associativo e empresário.

O presidente da AIMMP revela, ainda, que pediu uma reunião ao secretário de Estado das Florestas e que aguarda pela marcação do encontro. Poças lamenta o facto de o Governo "ainda não ter respondido ao pedido" formulado há mais de quinze dias, mas mantéma "disponibilidade para dialogar".

A “taxa das celuloses” foi inscrita no Orçamento do ano passado, mas 2019 terminou sem que o Governo legislasse.

Este ano, o Bloco de Esquerda voltou a recordar o tema e o ministro do Ambiente mostrou abertura para avançar com a medida este ano.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+