|
A+ / A-

Luanda Leaks. Ministro Santos Silva afirma que "Governo não tem comentários a fazer"

20 jan, 2020 - 17:30 • Lusa

O ministro dos Negócios Estrangeiros salienta que a regulação cabe a entidades independentes e assegura que as recentes revelações não prejudicam a relação entre Portugal e Angola.

A+ / A-

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, afirmou, esta segunda-feira, que “o Governo não tem comentários a fazer” às revelações dos esquemas financeiros da empresária angolana Isabel dos Santos em Portugal, pois tal é da competência de “dois reguladores independentes do Governo”.

No final de uma reunião de chefes da diplomacia da União Europeia em Bruxelas, ao ser questionado sobre se as revelações da investigação jornalística “Luanda Leaks” beliscam de alguma forma as autoridades portuguesas, por não terem sido detetadas transações suspeitas e esquemas alegadamente fraudulentos com apoio de facilitadores portugueses, Santos Silva disse que a resposta é “simples” e lembrou que “o Governo é independente dos reguladores independentes”.

“À luz da lei portuguesa, as atividades bancárias são reguladas por uma autoridade chamada Banco de Portugal (BdP), as atividades relacionadas com o mercado de capitais são reguladas por uma entidade chamada Comissão de Mercados de Valores Mobiliários (CMVM). Trata-se de dois reguladores independentes do Governo, portanto o Governo não tem comentários a fazer”, respondeu.

O ministro acrescentou ainda estar “certo de que quaisquer informações que venham e que contenham indícios de natureza criminal serão investigadas pelas autoridades judiciais e quaisquer informações que venham e que tenham indícios de natureza contraordenacional serão investigadas pelas entidades respetivas”.

“A independência vale nos dois sentidos: são independentes do Governo e o Governo também é independente dos reguladores independentes”, disse.

Questionado sobre se estas revelações podem prejudicar as relações entre Portugal e Angola, o ministro comentou que a resposta ainda é “mais fácil”, acrescentando logo que seguida que a mesma “É: não, de todo, pelo contrário”.

“E, já agora, permitam-me que aproveite esta oportunidade para dizer que talvez agora se perceba melhor a insistência do ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, desde pelo menos dezembro de 2015, de manter o melhor relacionamento possível com as autoridades angolanas, de manter o nível de relacionamento entre os dois Estados no mais alto dos patamares, porque é justamente esse relacionamento que permite que ambos os países defendam os seus interesses e ambos os países cooperem para que o relacionamento entre as respetivas economias seja bom, porque claro e transparente”, comentou.

Por fim, questionado sobre se já teve oportunidade de falar com o seu homólogo angolano desde a publicação da investigação “Luanda Leaks”, Santos Silva comentou que “hoje ainda não”, recordou os contactos regulares que ambos têm e disse que não há necessidade de falarem especificamente em breve sobre esta matéria.

“Hoje ainda não. Eu estive desde quarta-feira em Moçambique, depois passei rapidamente por casa para mudar a roupa e vim para Bruxelas ontem de manhã. Mas devo dizer também que não preciso [de falar], porque falo com suficiente regularidade, falo com suficiente profundidade e falo com suficiente franqueza para que as coisas sejam claras para ambos. Aliás, devo recordar que a última vez que me reuni com as autoridades angolanas foi acompanhando o Presidente da República de Portugal em Maputo na passada quarta-feira, aí pelas 4 da tarde locais, e a seguir dei uma conferência de imprensa conjunta com o meu colega e amigo ministro das Relações Exteriores de Angola, Manuel Augusto”, concluiu.

Um consórcio de jornalismo de investigação revelou no domingo mais de 715 mil ficheiros, sob o nome de "Luanda Leaks", que detalham esquemas financeiros de Isabel dos Santos e do marido, Sindika Dokolo, que estarão na origem da fortuna da família.

O Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação (ICIJ), que integra vários órgãos de comunicação social, entre os quais o Expresso e a SIC, analisou, ao longo de vários meses, 356 gigabytes de dados relativos aos negócios de Isabel dos Santos entre 1980 e 2018, que ajudam a reconstruir o caminho que levou a filha do ex-presidente angolano a tornar-se a mulher mais rica de África.

Durante a investigação, foram identificadas mais de 400 empresas (e respetivas subsidiárias) a que Isabel dos Santos esteve ligada nas últimas três décadas, incluindo 155 sociedades portuguesas e 99 angolanas.

As informações recolhidas detalham, por exemplo, um esquema de ocultação montado por Isabel dos Santos na petrolífera estatal angolana Sonangol, que lhe permitiu desviar mais de 100 milhões de dólares (90 milhões de euros) para o Dubai.

Revelam ainda que, em menos de 24 horas, a conta da Sonangol no Eurobic Lisboa, banco de que Isabel dos Santos é a principal acionista, foi esvaziada e ficou com saldo negativo no dia seguinte à demissão da empresária.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.