|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Óbitos

A+ / A-

​André Ventura quer demissão do ministro da Administração Interna

19 jan, 2020 - 18:25 • Lusa

Em causa estão declarações de Eduardo Cabrita sobre a compra de material pelos próprios polícias.

A+ / A-

O deputado único do Chega André Ventura pediu este domingo a demissão do ministro da Administração Interna, considerado "gravíssimas e desprovidas de sentido" as declarações de Eduardo Cabrita sobre a aquisição de material pelos próprios polícias.

Em causa está uma entrevista divulgada pelo Diário de Notícias e pela TSF, na qual o ministro é questionado sobre as notícias que dão conta de polícias "que compram equipamento de proteção do seu próprio bolso".

"Compram porque o querem e não têm nenhuma necessidade de o fazer. É preciso dizê-lo com toda a transparência. Há matérias que são diferentes, que são fardamento, em que há um subsídio. Mas o que é considerado como necessário pelos comandos é aquilo que é atribuído", respondeu Eduardo Cabrita.

Em comunicado enviado á agência Lusa, o deputado do Chega considera que as palavras de Eduardo Cabrita "são uma autêntica vergonha política e institucional e uma profunda humilhação para os milhares de homens e mulheres polícias que se veem obrigados a gastar o seu próprio dinheiro para que possam trabalhar em segurança".

Com estas declarações, considera André Ventura, o ministro "perdeu toda a confiança do setor e dos portugueses para continuar a liderar politicamente a administração interna do país", e deve pedir a demissão do cargo ou ser demitido pelo primeiro-ministro.

"A inércia neste caso, que agravará ainda mais a tensão entre Governo e forças policiais, será da exclusiva responsabilidade do Governo do Partido Socialista", afirma André Ventura.

O grupo parlamentar do PSD também repudiou as afirmações do ministro, acusando Eduardo Cabrita de "desfaçatez, falta de respeito e desconhecimento".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.