RR
|
A+ / A-

China

Maior radiotelescópio do mundo quer descobrir a origem do universo e extraterrestres

15 jan, 2020 - 18:00 • Redação com agências

Este radiotelescópio custou mais de 150 milhões de euros e está localizado na depressão de Dawodang, na província de Guizhou, no sudoeste da China.

A+ / A-

O maior e mais potente radiotelescópio do mundo, que oficialmente se chama Rádiotelescópio Esférico de Abertura de 500 metros (FAST, na sigla em inglês) está nas montanhas do sul da China e é conhecido como “olho da China no céu”.

Com 500 metros de diâmetro, ultrapassou o radiotelescópio Arecibo, em Porto Rico, que tem 305 metros. O FAST começou a ser construído na última década do século XX e, em 2016, foram realizados os primeiros testes operacionais.

Recentemente, o Governo informou que, neste momento, o telescópio está em pleno funcionamento e disponível para os astrónomos de todo o mundo.

Os criadores esperam que os sinais captados por este aparelho ajudem a obter mais informações sobre a origem e a evolução do universo, através da procura de ondas gravitacionais, exploração de matéria escura e sinais que possam indicar a existência de civilizações extraterrestres.

Um dos aspetos mais inovadores deste telescópio é a capacidade de detetar “rajadas rápidas de rádio” – FRB, na sigla em inglês –, que são eventos de energia intensa que duram apenas milissegundos.

“O FAST melhora significativamente a capacidade de explorar o universo e os sinais cósmicos, que são inerentemente fracos e quase indetetáveis”, explica Min Yun, professor de astronomia da Universidade de Massachusetts, citado pela imprensa internacional.

Durante o período de testes, que durou cerca de dois anos, o FAST identificou 102 novos pulsares – sinais de rádio cuja emissão se faz em impulsos extremamente rápidos.

Este radiotelescópio custou mais de 150 milhões de euros e está localizado na depressão de Dawodang, na província de Guizhou, no sudoeste da China. Curiosamente, esta semana foi noticiada a morte de uma estudante de 24 anos, na mesma província, malnutrida devido à pobreza extrema em que vivia há vários anos.

Um dos desafios que este aparelho enfrenta é a gestão da enorme quantidade de dados que vai conseguir recolher, mas os astrónomos têm demonstrado, até ao momento, muita confiança no sucesso do FAST.

Atualmente, o conhecimento do espaço é mais do que uma questão científica, representando uma demonstração de poder por parte das três grandes potências mundiais: China, Rússia e Estados Unidos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.