|
A+ / A-

Suiça

"Vocês ainda não viram nada". Greta Thunberg manifesta-se em Lausanne, em vésperas do Fórum de Davos

17 jan, 2020 - 21:49 • Redação com Lusa

Milhares de manifestantes saíram às ruas de Lausanne, esta sexta-feira, para mais um protesto do movimento "Fridays For Future". Greta Thunberg segue agora para o Fórum Económico Mundial, de Davos.

A+ / A-

A ativista Greta Thunberg participou esta sexta-feira, na cidade suíça de Lausanne, numa nova manifestação pela defesa do clima, antes de viajar para o Fórum Económico Mundial, de Davos.

“Até agora, ao longo desta década, não vimos ainda nenhum sinal de que uma real ação climática vá chegar”, disse a jovem ativista sueca em frente de uma multidão de jovens, no final de uma marcha pelas ruas da cidade.

“É preciso que isso mude”, reforçou, dirigindo-se depois aos dirigentes mundiais: “Vocês ainda não viram nada. Podemos garantir-vos”. Essa é a mensagem que os jovens levarão ao Fórum Económico da próxima semana em Davos, afirmou.

Greta Thunberg chegou ao final da manhã a Lausanne, rodeada por milhares de jovens e entoando palavras de ordem como “Sem natureza, sem futuro” ("Pas de nature, pas de futur”, no original em francês) ou “E 1, e 2, e 3 graus, é um crime contra a humanidade ("Et 1, et 2, et 3 degrés, c´est un crime contre l´humanité"), numa referência ao aquecimento global.

Nas ruas da cidade, os jovens carregaram uma faixa onde se lia “Vamos mudar o sistema, não o clima”, e ostentaram cartazes com referências aos grandes incêndios dos últimos meses na Austrália e ao recuo do gelo dos glaciares. Na marcha do movimento “Fridays For Future” participaram cerca de 15 mil pessoas, segundo números da organização.

Os apelos de Greta Thunberg, que já se tinha manifestado em Lausanne em agosto, tiveram particular aceitação nos últimos meses, com muitas cidades e cantões suíços a proclamar o estado de emergência climática, enquanto milhares de pessoas participaram nas greves pelo clima. Cerca de 100 mil estiveram em Berna, no final de setembro.

Depois de Lausanne, a jovem ativista deve viajar para Davos, pelo segundo ano consecutivo, para convocar a comunidade internacional e o mundo dos negócios para que tomem decisões face às alterações climáticas.

Até agora não é público se Greta Thunberg vai participar com ativistas suíços numa marcha de três dias ligando a vila suíça de Landquart a Davos, nos Alpes suíços. As duas localidades estão separadas por 40 quilómetros, mas as autoridades só autorizaram os dois primeiros dias de marcha, entre Landquart e Klosters, e não a etapa final até Davos. Os jovens anunciaram que vão prosseguir a marcha, passando por caminhos alternativos.

O Fórum começa a sua 50.ª edição na próxima terça-feira, com a presença do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Davos junta os líderes políticos e os responsáveis das empresas que mais influenciam o mundo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.