|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

BE propõe 150 milhões de euros para parque habitacional público

17 jan, 2020 - 00:31 • Lusa

"Sabem quantas habitações é que o PS está a pensar ter para este parque habitacional público com o Orçamento do Estado que entregou no parlamento? Zero. Nem uma. Esqueceram-se", afirma Catarina Martins.

A+ / A-

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, acusa o Governo de se ter esquecido da promessa eleitoral dos 150 milhões de euros no Orçamento do Estado para o parque habitacional público, anunciando a apresentação na especialidade desta proposta do PS.

Catarina Martins discursava esta quinta-feira à noite na sessão promovida pelo BE, no Fórum Lisboa, para assinalar os dois anos de mandato autárquico em Lisboa, com um executivo formado na sequência do acordo com o PS, tendo guardado os últimos minutos da sua intervenção para o Orçamento do Estado para 2020 (OE 2020).

Lembrando "um grande debate de números" entre BE e PS durante a campanha eleitoral que teve um dos centros no investimento num parque público habitacional, a coordenadora do BE afirmou que o PS, numa "espécie de adenda ao seu programa eleitoral a que chamou impacto financeiro das medidas do programa eleitoral do PS", inscreveu "um parque habitacional público de habitação a custos acessíveis com 25 mil habitações até 2024", num total 600 milhões de euros, correspondendo "a um valor médio anual de 150 milhões de euros".

"Sabem quantas habitações é que o PS está a pensar ter para este parque habitacional público com o Orçamento do Estado que entregou no parlamento? Zero. Nem uma. Esqueceram-se. Têm sido esquecidos. Já a taxa da celulose que era importante para financiar as espécies de crescimento lento nas florestas, esqueceram-se também", criticou.

Assegurando que "já o Bloco não se esquece do seu mandato e também não se esquece do que foi dito em campanha eleitoral", Catarina Martins aproveitou para fazer um anúncio de uma proposta de alteração a apresentar agora na fase da especialidade do OE2020.

"Para que o Orçamento do Estado 2020 não tenha zero casas de parque habitacional público e para que o Partido Socialista possa cumprir a promessa que fez em campanha eleitoral, o Bloco de Esquerda vai apresentar na especialidade do Orçamento nem mais nem menos do que 150 milhões de euros em 2020, para começar a criar este parque habitacional público para habitações acessíveis", antecipou.

A líder bloquista deixou claro que este "não é o valor que o BE propunha", mas, sim, "o valor que o PS prometeu e que terá agora a oportunidade de votar no Orçamento do Estado".

Segundo Catarina Martins, a necessidade de um parque habitacional público foi uma medida à qual se chegou a acordo de que seria a única possibilidade de ter uma resposta à habitação consequente.

"Isto estava presente quando fizemos o acordo em Lisboa e talvez se lembrem que na última campanha eleitoral entre o Bloco de Esquerda e o Partido Socialista houve um grande debate sobre números e um dos centros desse debate era precisamente o investimento num parque público habitacional para garantir habitações a preços acessíveis à generalidade das pessoas", recordou.

O PS, segundo a dirigente bloquista, dizia "na altura que o BE tinha feito mal as contas, que queria muito dinheiro".

"Depois lá reconheceu que as contas do Bloco de Esquerda até estavam bem feitas, que o PS fazia as mesmas, mas queria menos casas. Nós dizíamos que para regular o mercado é preciso um investimento num parque habitacional público em quatro anos que pudesse chegar às 100 mil casas. O PS dizia 25 mil, mas lá escreveu", relatou.

A primeira parte do discurso de Catarina Martins foi dedicada a estes dois anos em que o BE chegou à vereação da Câmara de Lisboa e assumiu pelouros devido a um acordo com o PS.

A líder do BE enalteceu a "forma diferente" dos bloquistas assumirem as suas responsabilidades e as soluções novas encontradas "de que nunca se tinha ouvido falar no país".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Petervlg
    17 jan, 2020 Trofa 09:52
    ainda na semana passada viabilizou o OE 2020 e agora está a fazer-se de "Maria Madalena"
  • ze
    17 jan, 2020 aldeia 08:14
    Catarina,não conseguiste baixar para os 6% do iva na electricidade,mas vai pressionando,pois está visto que o PS nunca pode ter maioria absoluta,o povo continua muito mal,a carga fiscal é muito elevada,os vencimentos muito baixos e a vida continua cara.
  • Joao Almeida
    17 jan, 2020 Aveiro 01:52
    Será que e para todo o país ou só para Lisboa onde vive a chefe