|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Ajuda à Igreja que Sofre considera 2019 "ano de mártires" cristãos

16 jan, 2020 - 11:09 • Lusa

Apesar dos muitos ataques sofridos por cristãos ao longo do ano passado, “nem todos os sinais são negativos”.

A+ / A-

O presidente internacional da Fundação AIS (Ajuda à Igreja que Sofre), Thomas Heine-Geldern, considera que "2019 foi um ano de mártires, um dos anos mais sangrentos da história dos cristãos".

Em comunicado, a Fundação sublinha que "o ano de 2019 foi dramático para os cristãos em várias regiões do mundo, revelando uma preocupante escalada de violência contra esta comunidade religiosa".

O ataque a três igrejas no Sri Lanka no domingo de Páscoa, que causou mais de 250 mortos, os ataques a comunidades cristãs e os sequestros de seminaristas na Nigéria, a situação no Burkina-Faso, onde "houve, pelo menos, sete ataques a comunidades católicas e protestantes, nos quais 34 cristãos foram mortos, incluindo dois sacerdotes e dois pastores", foram alguns dos casos ocorridos no passado referenciados pelo presidente da Fundação.

A par destas situações, Thomas Heine-Geldern referiu-se também às perseguições aos cristãos no Iraque e a situação de crise vivida no Líbano.

Perante esta situação, este responsável considerou, no entanto, que "nem todos os sinais são negativos".

Para o presidente internacional da Fundação AIS, "o aumento da atenção na opinião pública para as questões relacionadas com a liberdade religiosa é um aspeto positivo a destacar no balanço do ano de 2019".

"Na Europa Ocidental, políticos e líderes de opinião falam agora muito mais sobre liberdade religiosa", segundo Heine-Geldern, que apela a instituições como a União Europeia ou a ONU para agirem na defesa da liberdade religiosa como um direito humano fundamental.

"Muito pouco está ainda a ser feito. É difícil acreditar que num país como a França se tenham registado mais de 230 ataques contra organizações cristãs durante o ano passado", afirmou Thomas Heine-Geldern, citado no comunicado da Fundação AIS, lembrando ainda o caso do Chile, onde "40 igrejas foram profanadas e danificadas desde meados de outubro".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.