|
A+ / A-

Andebol

Portugal acredita que pode vencer a Suécia

16 jan, 2020 - 16:37 • Redação com Lusa

Partida está marcada para as 19h30 desta sexta-feira.

A+ / A-

Os jogadores da seleção portuguesa de andebol manifestaram-se confiantes em vencer a Suécia e "continuar em grande" no Euro 2020.

No entanto, reconhecem que vão ter pela frente "um adversário fortíssimo" na estreia no Grupo II da ronda principal.

"Estamos preparados e confiantes. Temos vindo a fazer um grande Europeu, mas vai ser outro jogo duro, em que temos de estar muito bem, não podemos cometer alguns erros que cometemos com a Noruega. Temos grandes possibilidade de ganhar e continuar em grande neste Europeu", observou Pedro Portela.

O "descontrolo" emocional perante algumas decisões dos árbitros e erros de finalização na sua zona de ação foram algumas das causas apontadas pelo ponta direito para explicar a derrota por 34-28 com os noruegueses, no último encontro do Grupo D da ronda preliminar, disputado em Trondheim.

"Fizemos um percurso brilhante. Só temos de continuar a acreditar no que somos capazes de fazer e acho que amanhã [sexta-feira] vamos estar muito mais concentrados, não nos focaremos tanto nos árbitros, mas sim naquilo que temos de fazer", concordou Alfredo Quintana.

O guarda-redes alertou para os "bons atiradores" da Suécia, mas notou que "já está demonstrado que Portugal adapta-se bem a esse sistema de bons atiradores", assinalando que o jogo dos vice-campeões "não é tão rápido como o da Noruega".

"Estamos preparados, apesar de o último jogo não ter corrido como queríamos. Vai ser um jogo extremamente importante. Se conseguirmos ter uma defesa forte, com o guarda-redes que temos, e pararmos o contra-ataque deles podemos vencer", defendeu Alexis Borges.

O pivô, que, tal como Quintana, é natural de Cuba, não escondeu a "sensação incrível" de se estrear no torneio continental: "É o meu primeiro Europeu e estou muito orgulhoso de representar o país e continuar a fazer a história que temos feito e que acredito que não vai ficar por aqui".

Rui Silva tem a missão de "coordenar a equipa e levá-la pelo melhor caminho", defendendo que a 'equipa das quinas' ainda tem "muito para dar" na competição, apesar de não perspetivar facilidades frente à seleção anfitriã.

"Estamos preparados e com muita vontade de ganhar, mas com a noção de que é difícil. A Suécia joga em casa e é um adversário fortíssimo", advertiu o central, que tem sido um dos jogadores em maior destaque entre os 18 convocados pelo selecionador Paulo Pereira.

Já o lateral direito Belone Moreira prefere "jogar com as melhores equipas": "A Suécia é uma grande equipa, do nível da Noruega, mas tem as suas debilidades e vamos tentar explorar isso e acredito que se estivermos no nosso máximo, poderemos vencer".

Após 14 anos de ausência, Portugal está a disputar pela sexta vez a fase final do Campeonato da Europa, no qual tem como melhor resultado o sétimo lugar alcançado em 2000, na Croácia, iniciando a participação na ronda principal na sexta-feira, frente à Suécia, em jogo com início às 19h30.

A equipa das quinas ficou integrada no Grupo II da ronda principal do Euro 2002, em conjunto com Noruega, Hungria, Eslovénia (todas com dois pontos, conquistados nos jogos da primeira fase frente à outra seleção apurada), Suécia e Islândia (ambas em branco).

Portugal venceu França e Bósnia Herzegovina e perdeu com a Noruega na fase preliminar da prova.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.