|
A+ / A-

OE 2020

Taxa sobre agulhas e seringas pode retirar dispositivos médicos do mercado

16 jan, 2020 - 11:50 • Anabela Góis , Marta Grosso

O aviso é feito pela Associação de Empresas de Dispositivos Médicos, que já antevê o encerramento de algumas empresas.

A+ / A-

A Associação de Empresas de Dispositivos Médicos (APORMED) acusa o Governo de pôr em risco a prestação de cuidados no Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Em causa está uma nova taxa, entre 1,5% e 4%, prevista para os dispositivos médicos – agulhas, seringas, pensos e até camas, por exemplo. São produtos básicos, que neste momento já pagam 23% de IVA.

“É uma medida que, de facto, será muito nefasta para este setor e, essencialmente, para os utentes do Serviço Nacional de Saúde”, afirma o secretário da associação nesta quinta-feira, em declarações à Renascença.

“Não temos quaisquer dúvidas de que vários dispositivos médicos sairão do mercado, porque não têm margem para comportar as percentagens da taxa que estão estipuladas na proposta deste Orçamento”, acrescenta.

João Gonçalves espera que os vários grupos parlamentares e, sobretudo, o que suporta o Governo, possam chumbar a medida. Caso contrário, várias empresas poderão ter de fechar portas.

“Temos a convicção plena que muitos destes produtos vão deixar de estar no mercado, e inclusivamente algumas empresas fecharão portas. Temos, portanto, esperança de que o principal partido que suporta o Governo seja sensível a estes argumentos e que, à semelhança do que se fez em anos anteriores ou nos três últimos anos, consiga convencer o Governo para que esta medida não avance”, afirma o secretário-geral da APORMED.

A associação é recebida esta quinta-feira pelo PS.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.